A receita desta semana é para todos os fãs de chocolate e cacau, que gostam de recheios cremosos, equilibrados, de confecção simples.  Neste caso, será uma maior surpresa para quem sempre gostou do sabor do Tulicreme. Não que leve Tulicreme, porque não leva, mas é o que nos faz lembrar o sabor desta Tarte de Cacau.

Esta tarte tem uma grande vantagem.

Em dias mais ocupados, nomeadamente agora que muitos já estão de férias ou optam por aproveitar este período do Verão para fazer almoços e jantares com a família e com amigos, esta tarte tem a vantagem de poder ser feita com antecedência e manter-se no frigorífico, para ser servida bem fresca. É fundamental esta parte porque tendo uma estrutura muito cremosa, o frio é o que a mantém mais bem ligada.

Quais os ingredientes?

Apenas 8 ingredientes comuns, além da base de tarte que terá de ser cozida previamente.

Que base de tarte devo usar?

Qualquer uma de que gostem. Eu prefiro sempre fazer uma base caseira como esta que usei também na Tarte de Limão à Francesa. É uma massa que se mantém firme e não se desfaz como a da Tarte de Maçã, que é muito mais macia.

No caso de usarem massa de compra, seja quebrada ou folhada, terão de a cozer antes, com papel vegetal ou folha de alumínio e pesos por cima, para que não perca o seu formato. Vejam o video da Tarte de Limão à Francesa e façam da mesma forma.

Como são massas mais finas, sigam as indicações na embalagem sobre temperatura de forno e tempo de cozedura.

Passo-a-passo: fazer o recheio

É tudo muito simples.

Numa taça misturamos as gemas, a farinha e o sal e, ainda antes de estar tudo ligado começamos a verter metade do leite, em fio. Desta forma a mistura não irá ganhar grumos. No caso de ficar com grumos, basta passar com a varinha mágica.

Reservamos esta mistura e passamos à seguinte.

Já num tacho, misturamos o açúcar e o cacau e envolvemos o restante leite em fio.

Levamos esta mistura ao lume, mexendo até começar a fervilhar.

Só aí retiramos do lume e vertemos em fio na mistura de gemas, sempre mexendo.



É fundamental que esta mistura de cacau quente seja vertida em fio sem nunca parar de mexer, para não se correr o risco de coalhar as gemas.

Daqui, levamos a mistura de novo ao lume, mexendo, até começar a borbulhar, altura em que já terá engrossado. 

Finalização

Mal sai do lume envolvemos a manteiga em cubos, que com o calor vai derreter… e ainda o extracto de baunilha.

Vertemos a mistura ainda quente sobre a massa, alisamos o topo, deixamos arrefecer e colocamos no frigorífico (sem nada a cobrir) durante pelo menos 4 horas para prender.

Na hora de servir podemos dar asas à criatividade, seja com chantilly, açúcar em pó, ganache de chocolate, frutas frescas ou outra ideia de decoração que possamos ter na hora.

Fazer com antecedência

É uma das vantagens desta tarte que, mantida no frigorífico, suporta o tempo da espera. Por regra, depois de aberta, o que sobra pode ser coberto com película e conservado no frio até uma semana.

Teremos sempre um interior cremoso como este…

Como aproveitar as claras?

Há várias opções.

  • Podemos desde logo congelar para utilizar mais tarde.
  • Enquanto refeição podemos fazer uma omeleta de claras.
  • Para sobremesa sugiro esta Pavlova, este deliciosos Biscoitos italianos ou, se tiverem mais claras, esta Torta de Claras.

SE GOSTARAM DESTA RECEITA