Um clássico que se mantém intemporal. São servidas sobre arroz branco ou puré de batata, regadas com o molho da cozedura.

Aqui está mais um dos pratos que tanto comi na minha infância, já que também havia modas na altura.
Era o Frango de Fricassé, eram as Almôndegas em Molho de Tomate, as semp’eternas Ervilhas com Chouriço e Ovos Escalfados, eram mais uns quantos… e este claro.

Tenho a dizer que sempre foi um prato que me deixava feliz, sempre gostei muito daquele contraste de sabor e textura entre a salsicha e a couve-lombarda.

Recentemente, no período da quarentena, decidi voltar a fazer este prato, tentando lembrar-me de como a minha mãe fazia.
Usava uma boa couve-lombarda e retirava um pouco dos talos mais grossos…

e depois cozinhava as folhas até ficarem moldáveis.

Lembrem-se de que as folhas de fora que são mais verdes são mais duras e levam um pouco mais de tempo a amolecer. Eu costumo deixar cerca de 10 minutos na água a ferver. As mais claras retiro um pouco antes. Só convém deixar amolecer um pouco para enrolar e não se esqueçam de que, depois de as retirarmos da água, elas continuam a cozer mais um pouco no calor residual. Não queremos folhas que se desfaçam quando as estamos a enrolar.

Quanto ao molho, tenho ideia de que a minha mãe usava tomate fresco, sem pele e que lhe juntava um pouco de polpa de tomate. Não tenho a certeza, mas é daquelas coisas que são mais intuitivas.

Eu acabei por utilizar tomate de lata, que tinha mais à mão, mas tomate fresco já sabem, é sempre melhor – este tomate de lata era em pedaços pequeninos e talvez tivesse conseguido um molho menos ralinho com tomate triturado, mas deixei mesmo assim, sem triturar nada, para se verem todos os pedacinhos do tomate e da cenoura.

Se optarem por ter o molho mais denso e todo triturado, só têm de o triturar antes de juntarem os embrulhos e a água. Retiram o louro, passam com a varinha mágica e está feito!

Se quiserem manter os pedacinhos de cenoura, juntem-na depois de triturarem.

Quanto aos embrulhos, não precisam de usar palitos.

Basta enrolar tudo como um crepe chinês e cozinhá-los no tacho com a junção para baixo. Ficam perfeitos e não abrem.

Bom, que maravilha! Todos comeram, pequenos e graúdos, sem esquisitices de legumes, sem nada. Um belo arrozinho branco e aquele molhinho bem apurado conquistaram todos.

E para molhar no molhinho fiz o belo Pão Rústico Rápido que é a receita de maior sucesso deste ano, até agora!

Vão reparar que no video eu faço uma quantidade maior – esta receita tal como está aqui, parte do princípio de que cada pessoa comerá um embrulho com duas salsichas, mas não quis arriscar e fiz mais para quem quisesse repetir… e repetiram. O que sobrou comeu-se no dia seguinte, porque este é daqueles pratos que, um dia depois, ainda fica mais apurado.

Por isso, se aí por casa são comilões, já sabem que terão de fazer mais.

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 1 hora 30 minutos
dificuldade: Média
doses: 4
Um clássico que se mantém intemporal. São servidas sobre arroz branco ou puré de batata, regadas com o molho da cozedura.

Salsichas frescas enroladas
em couve-lombarda

Salsichas enroladas em couve destaque site
Um clássico que se mantém intemporal. São servidas sobre arroz branco ou puré de batata, regadas com o molho da cozedura.
tempo de preparação: 1 hora 30 minutos
dificuldade: Média
doses: 4

Ingredientes:

  • 8 salsichas de porco frescas
  • 1 couve-lombarda
  • 2 dentes de alho, picados
  • 1 cebola, picada
  • 1 cenoura, em rodelas ou meias-luas
  • 1 folha de louro
  • 100 ml de vinho branco
  • 1 lata (400 g) de tomate triturado
  • 50 ml de azeite
  • Sal, pimenta e noz-moscada, q.b.
  • Água a ferver q.b.

UTENSÍLIOS:

Confecção:

  1. Coloque uma panela ao lume com água e sal.
  2. Retire as folhas da couve, corte um pouco do talo para o deixar mais fino e lave muito bem.
  3. Quando a água começar a ferver mergulhe as folhas de couve e cozinhe durante cerca de 10 minutos, até a couve ficar mais macia. Retire as folhas para uma travessa e deixe arrefecer um pouco.
  4. Estenda uma folha grande. Coloque por cima uma de igual tamanho ou mais pequena – no caso de ter folhas pequenas coloque 3 ou 4 para ter uma base suficientemente grande para fazer o embrulho.
  5. Coloque duas salsichas sobre o início da folha de couve, enrole dando uma volta, encaixe os lados para dentro (tal como se faz nos crepes) e enrole até ao fim. Mantenha a junção para baixo.
  6. Coloque um tacho ao lume com o azeite e refogue a cebola, cerca de 3 minutos.
  7. Junte o alho, a cenoura e a folha de louro e refogue durante mais 2 minutos.
  8. Refresque com o vinho branco deixe fervilhar durante 1 minuto.
  9. Envolva o tomate, tempere com sal, pimenta e noz-moscada a gosto e deixe fervilhar durante 5 minutos, para apurar.
  10. Coloque os embrulhos sobre o molho de tomate, com a junção virada para baixo e regue com água a ferver, quase até cobrir. Acerte o sal se necessário.
  11. Tape e cozinhe durante 45 minutos em lume médio.
  12. Sirva sobre arroz-branco ou puré de batata.

Notas:

Outras informações:

8 comentários para “Salsichas frescas enroladas <br> em couve-lombarda”

  1. Clara,
    Quero dizer-lhe que sou grande apreciador das suas receitas. Tenho experimentado fazer grande parte delas, e sigo com atenção as suas dicas. Consigo, e com a sua ajuda, aqui em casa tenho-me tornado um grande chef. Um muito obrigado deste seu admirador.

  2. Adelaide Alexandre

    Belas recordações da minha infância…. mas quando fui para o Colégio no Porto, não havia petiscos, era horrível!!!!!! Obrigada Clara, pois as suas ideias são sempre fantásticas….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.