“Mãe, vais fazer alguma coisa para jantar?”, perguntou-me a minha filha enquanto se mantinha estendida no sofá, numa sexta-feira à noite em que estava sem vontade para se levantar e cozinhar.

“Não estava a pensar fazer nada, mas o que te apetece filha?”, ao que respondeu, “Não sei, vê tu.”

Vê tu…

Há 4 anos anos que a minha filha é vegetariana e em 95% das vezes é ela própria que trata de cozinhar as suas refeições, mas desta vez precisava de um mimo da mãe.

Fui dar uma vista de olhos na despensa e vi o bulgur.

O bulgur, também conhecido como triguilho, é um grão de trigo integral muito saboroso, comum na culinária do Médio Oriente e norte de África.

É uma excelente alternativa ao arroz, massa, quinoa ou cuscuz, já que é mais completo ao nível nutricional. Não tem gordura, é pouco calórico e um amigo da saúde digestiva e cardiovascular.

Em cru, depois de demolhado, é o cereal usado no famoso Tabulé.

Desta forma, o bulgur é perfeito não só para vegetarianos e veganos, mas também para diabéticos ou para quem queira perder peso.

não é indicado para celíacos já que é um grão de trigo e tem glúten.

Nesta receita, além do bulgur, optei por juntar grão-de-bico, tomates-cereja, as aromáticas que tinha à mão – salsa e manjericão – e como não queria uma vinagreta simples, optei por um delicioso molho Tahini.

Tenho sempre tahini no frigorífico para fazer os meus húmus. Faço-o em casa, é muito simples, desde que tenham um triturador potente. Podem ver a receita aqui: TAHINI.

Comecei por cozinhar o bulgur, exactamente do mesmo modo que cozinhamos o arroz – por cada volume de bulgur usamos dois volumes de água. Não usei sal, porque o molho já tem o suficiente.

Nesta parte da cozedura do arroz segui um caminho diferente do habitual – optei por tostar o bulgur ligeiramente, a seco, e deixei-o cozer durante mais tempo. O habitual são cerca de 15 minutos. Porquê? Porque queria algo semelhante ao socarrat da paelha, garantido que conseguia uma crosta no fundo bem tostada mas não esturricada, o que daria um contraste no sabor e na textura desta salada.

Assim foi. Ficou a cozinhar durante cerca de 20 minutos, em lume brando, e assim que vi os grãos tostados nas extremidades encostadas ao tacho, desliguei, abri os grãos para arrefecerem mais rapidamente, passei para a taça de servir e raspei o socarrat.

Depois disto, basta arrefecer um pouco – podemos comer a salada ligeiramente morna ou fria – envolver os restantes ingredientes e servir.

Esta receita é indicada para 4 a 6 pessoas, mas de tão boa que é o melhor é contar que seja para 4 porque certamente alguém vai repetir.