Esta semana regresso com uma receita de carne e com uma técnica e apresentação diferentes do habitual.

O cachaço de porco é uma carne de alta qualidade, tanto em costeletas – que, para mim, são as mais saborosas – como em peças desossadas, como a que vou utilizar nesta receita. É notável pela sua excelente proporção de carne e gordura, proporcionando um maravilhoso equilíbrio. É retirada da parte dianteira do lombo.

Por regra, a peça é assada inteira, depois de bem temperada e deixada a marinar. Neste caso, não há marinada. Tudo é preparado na hora.

Se, no entanto, preferirem temperar a carne, podem fazê-lo da forma tradicional. Recomendo que a carne esteja já aberta para absorver o tempero de maneira mais rápida e eficaz. Até podem prescindir da pasta que uso aqui para barrar, bastando colocar apenas as tiras de bacon antes de enrolar. Fica ao vosso critério.

A carne do cachaço é ideal para churrasco, para assar ou grelhar. Hoje vai ser assada a uma temperatura mais baixa do que o habitual para garantir maior suculência!

Já muitas vezes referi que temos o hábito antigo de cozinhar em demasia a carne de porco, sendo que hoje em dia isso já não faz qualquer sentido. Se querem perceber porquê leiam ESTE ARTIGO que é bastante esclarecedor.

Quanto ao molho, a cenoura deixa-o levemente adocicado, o que contrasta muito bem com a carne. Na hora de servir, ninguém vai querer deixar o molho de fora.

Quais os ingredientes?

Do lado esquerdo estão os ingredientes para o molho e do lado direito os do rolo. Para esta receita uso meio cachaço que não chega a quilo e meio, mas anda lá perto.

É comum encontrar esta peça já embalada para venda, mas também é possível solicitá-la directamente no talho.

Passo-a-passo: abrir a carne

A primeira coisa a fazer é abrir a carne ao comprido.

Quem achar que não é capaz, pode pedir ao funcionário do talho, explicando que é para fazer um rolo e que, por isso, precisa de ser aberto desta maneira.

Não pode ficar demasiado fina nem demasiado grossa. Na dúvida espreitem o video mais abaixo.

Fazer a pasta para barrar

De seguida, seja num almofariz ou num pequeno triturador, reduzimos os ingredientes do tempero a esta pasta meio húmida.

É com esta pasta que barramos a carne, colocando depois as tiras de bacon por cima. Podem colocar mais se quiserem. A mim, seis tiras, pareceu-me uma opção equilibrada.

Preparar o rolo

Depois de barrada e com o bacon, a carne é enrolada, bem aconchegada e apertada, e não é preciso atá-la.

Começamos por amarrotar uma folha de papel vegetal para torná-la mais maleável. Seguidamente, enrolamos a carne nela, torcendo bem as extremidades para selar.

Finalmente, sobre o papel vegetal usamos folha de alumínio, usando o mesmo processo.

A peça é colocada num tabuleiro de forno, com as cenouras e cebolas cortadas em pedaços e os dentes de alho inteiros.

Os legumes são regados com água, vinho branco e temperados com sal e pimenta.

Assar no forno

Cobrimos o tabuleiro com folha de alumínio e levamos a forno pré-aquecido a 160º C (eu uso sempre ventilado) durante 1 hora e 45 minutos.

Passado esse tempo, colocamos a carne a descoberto, por cima distribuímos a manteiga em pedaços e temperamos com sal grosso.

O tabuleiro regressa ao forno, agora a 200º C durante 15 minutos para dourar.

Após a carne dourar no forno, retiramo-la e colocamo-la sobre uma tábua. Aconselho cobri-la com a folha de alumínio previamente usada para cobrir o tabuleiro, mantendo a carne quente para que continue a cozinhar no calor residual.

Fazer o molho de cenoura

É agora tempo de fazer o molho triturando muito bem os legumes e o caldo.

Transferimos o molho para um tachinho e deixamos ferver uns 5 minutos, após os quais juntamos as natas e acertamos o sal e pimenta a gosto.

Nesta fase, podem fazer mais uma passagem com a varinha mágica para garantir um molho bem liso.

Fatiar a carne e servir

Só falta fatiar a carne e revelar a sua beleza interior.

Como podem ver, a carne fica ligeiramente rosada, não está branca opaca, o que significaria que estaria demasiado cozinhada.

Servimos com o molho e com um acompanhamento de que gostemos.

No caso, aproveitei o forno desde o primeiro minuto e assei umas batatinhas que foram apenas regadas com azeite e vinho branco e temperadas com sal grosso e pimenta preta. Se necessário, reviramos passado uma hora para assarem por igual (o ideal é que se faça esse processo fora do forno para não manter a porta aberta durante muito tempo e não deixar escapar o calor). Se o líquido desaparecer podemos juntar mais um pouco de vinho ou água apenas para não as deixar secar muito.

É tudo. Não tem nada de complicado.

A razão pela qual atribuí uma avaliação de dificuldade média é apenas por causa da técnica de abrir a carne, mas, além disso, é tudo muito simples.

Espero sinceramente que gostem tanto quanto todos gostaram aqui em casa.

SE GOSTARAM DESTA RECEITA