A diabetes é um grave problema de saúde pública, não apenas em Portugal mas em todo o mundo desenvolvido.

Em Portugal estima-se que haja cerca de 1 milhão de diabéticos, a grande maioria com a diabetes tipo II que está tantas vezes directamente ligada ao estilo de vida, como uma má alimentação, sedentarismo ou excesso de peso. É mais comum a partir dos 40 anos, mas há infelizmente cada vez mais casos, mais cedo.

Todos nós conhecemos alguém ou temos alguém na família com diabetes. Eu tenho o meu pai e tenho sempre a preocupação de fazer pratos adequados, evitando os hidratos que fazem disparar o índice glicémico, como é o caso do açúcar, das farinhas refinadas, massas, batata e outros.

Felizmente, com a variedade de produtos que temos hoje em dia, a alimentação da pessoa com diabetes consegue ser muito mais variada e criativa do que há uns anos… e até os doces, que durante tanto tempo eram proibidos, podem entrar, desde que feitos com açúcares próprios para diabéticos e sem farinhas refinadas.

Como se costuma dizer… somos todos filhos de Deus!

Certamente é uma alegria para uma pessoa com diabetes poder comer uma sobremesa para fechar uma refeição.

E a verdade é que pode.

Fiz este Petit Gâteau precisamente para o meu pai, mas todos comemos e todos gostámos.

É uma sobremesa democrática e inclusiva em que todos comem o mesmo, sejam diabéticos ou não… e todos adoram. Só não adora quem não gosta de chocolate.

O facto de usar um açúcar com zero de impacto glicémico e zero calorias – o açúcar de eritritol e stevia – não afecta muito a quantidade de calorias da receita. É quase igual à de um Petit Gâteau normal. A grande diferença é que este pode ser comido por diabéticos, sem qualquer risco.

Há outros açúcares que podem ser usados, como é o caso do xilitol que tem um impacto glicémico muito baixo, ou o açúcar de coco que tem cerca de metade do impacto glicémico do açúcar refinado, mas que é bem tolerado por muitos diabéticos.

Além disso, este Petit Gâteau leva chocolate negro ou de stevia e não tem farinha de trigo, nem margarina, dois ingredientes que os diabéticos devem evitar.

É uma receita que pode ser facilmente adaptada para intolerantes a glúten ou lactose, com o uso de farinha de trigo sarraceno (sem glúten) ou leite sem lactose ou de coco.

Mas atenção! Num plano de emagrecimento ou manutenção de peso é melhor não abusar, já que a quantidade de calorias é muito semelhante à de um petit gâteau normal.

Este Petit Gâteau é todo feito à mão, sem máquinas, e é cozido no forno só o tempo suficiente para cozer ligeiramente deixando um interior bem molhadinho.

Para quem vai este último pedacinho?