Um peixe verdadeiramente suculento, enriquecido por um molho de manteiga, limão e salsa que é de comer e chorar por mais.

Andava eu pelo supermercado na secção do peixe à procura de um belo pampo para a receita desta semana, mas já não havia, e eu queria mesmo um peixe grande que desse para a família.

Há tempos tinha comprado pampo a 9 euros o quilo, um bom preço apesar de tudo, nestes dias em que os preços, nalguns casos, estão muito acima do que estávamos habituados.

Em alternativa encontrei este pargo que tinha quase 1,4 kg. Um pouco mais caro, mas ainda aceitável. Já veio limpo, sem escamas, guelras e tripas, pronto para cozinhar.

O segredo para um peixe suculento

O segredo é não ser demasiado cozinhado. Nestes peixes menos gordos, muito calor e muito tempo de cozedura resultam num peixe mais seco. Um verdadeiro pecado, totalmente desnecessário, que estraga um bom produto.

A temperatura interna ideal é de 60º C (no máximo 63º C) e por isso não faz sentido juntar batatas e peixe ao mesmo tempo quando têm tempos diferentes para ficarem no ponto.

Comecemos pelas batatas

Apesar de haver as chamadas “batatas para assar” eu gosto muito de assar as “batatas para cozer”.

Lavo-as muito bem, mantenho quase sempre a casca, corto em cubos médios, tempero e coloco no forno a 180º C. Para esta receita juntei umas cebolinhas.

O tempero é muito simples:

  • azeite
  • sal
  • mix de piri-piri (vejam como se faz AQUI)
  • vinho branco

Elas são reviradas a meio do tempo e ficam sempre espectaculares.

E o peixe?

Para gerirmos o tempo da melhor forma, tratamos do peixe assim que as batatas entram no forno.

Colocamos duas folhas de alumínio e uma de papel vegetal no tabuleiro de forno, sobre elas o peixe com dois golpes de cada lado e temperamos com sumo de limão, sal e pimenta-preta, de ambos os lados.

Depois preparamos a pasta para barrar, feita com cebola, alho, salsa, manteiga, sumo de limão, sal, pimenta-preta e noz-moscada.

Tudo é triturado para ficar assim:

Esta pasta é colocada sobre o peixe, sem esquecer de colocar um pouco dentro da barriga.

Agora só temos de fechar tudo muito bem, tanto no topo como nas laterais, para ficar um embrulho bem selado e para o peixe cozinhar no seu próprio vapor.

Quando entra o peixe no forno?

Entra no forno precisamente 30 minutos depois das batatas. Colocamos o peixe na prateleira de baixo e aproveitamos para revirar as batatas.

Troca de posições

A 10 minutos do fim – ou seja 20 minutos depois de o peixe ter entrado no forno – abrimos o papelote. Passamos o peixe para cima e as batatas para baixo e ligamos o grill a 200º C, para que a pasta ganhe uma ligeira cor.

Como sei que o peixe está no ponto?

Tal como referi, o interior deve estar entre 60 e 63 graus, por isso, para garantir que fica mesmo no ponto usem um termómetro. Basta espetar na parte mais alta do peixe (quase encostado à espinha) e confirmar que a temperatura está correcta. Se por alguma razão não estiver deixem mais um pouco.

O ideal é usarem um termómetro em que o espeto fica no peixe e que apita quando é atingida a temperatura. Um como este é perfeito, tanto para peixe como para carne. É um equipamento precioso em qualquer cozinha e é barato.

Depois é só servir, regando bem o peixe com este belo molho de manteiga, enriquecida pelo fresco sabor do limão. É uma delícia, acreditem.

Bom apetite!

Querem ver a receita escrita com todos os pormenores?

Continuem a descer, que ela está logo depois do video e até a podem imprimir.

Outras receitas de forno com peixe:

DOURADA ASSADA COM BATATA-DOCE - Um peixe macio e suculento com batata-doce, tomate seco, alcaparras e malagueta, num belo contraste de sabores da dieta mediterrânica.
SALMÃO COM MANTEIGA DE ALHO E ERVAS - Uma longa metade de salmão coberta com uma manteiga incrível que complementa o sabor do peixe, é um prato perfeito para toda a família.
FILETES COM LEGUMES EM CAMA DE BATATA-DOCE - São deliciosos. Filete de peixe branco recheados com legumes al dente e uma cama de batata-doce que lhes dá um contraste divinal.

Vão fazer esta receita?

Então falem da vossa experiência, comentem, deixem sugestões e se partilharem esta receita no Instagram não se esqueçam do hashtag #claradesousa_cozinha_bricolage

Veja o vídeo desta receita

Subscreva e comece a receber as newsletters em primeira mão

tempo de preparação: 1 hora 10 minutos
dificuldade: fácil
doses: 4
Um peixe verdadeiramente suculento, enriquecido por um molho de manteiga, limão e salsa que é de comer e chorar por mais.

Pargo no Papelote
com Molho de Manteiga

Pargo papelote destaque site
Um peixe verdadeiramente suculento, enriquecido por um molho de manteiga, limão e salsa que é de comer e chorar por mais.
tempo de preparação: 1 hora 10 minutos
dificuldade: fácil
doses: 4

Ingredientes:

  • 1 pargo limpo (1,2 a 1,5 kg)
  • 1 cebola média
  • 2 dentes de alho
  • 6 pés de salsa
  • 1 limão
  • 100 g manteiga
  • sal, pimenta-preta e noz-moscada q.b.
  • 750 g batatas brancas
  • 4 cebolinhas (ou mais)
  • azeite q.b.
  • mix de piri-piri q.b.
  • sal q.b.
  • 100 ml vinho branco

UTENSÍLIOS:

  • 2 folhas de alumínio
  • 1 folha papel vegetal

Confecção:

Trate das batatas:
  1. Lave bem as batatas e corte-as em cubos médios. Descasque as cebolinhas.
  2. Coloque um fio de azeite num tabuleiro, junte as batatas e cebolinhas e tempere com sal e mix de piri-piri. Regue com o vinho branco e envolva tudo muito bem.
  3. Leve a forno pré-aquecido a 180º C durante 30 minutos.
Trate do peixe:
  1. Coloque no tabuleiro do forno duas folhas de alumínio e uma de papel vegetal.
  2. Faça dois golpes em cada um dos lados do peixe e coloque-o sobre os papéis. Tempere o peixe de ambos os lados com o sumo de meio limão, sal e pimenta-preta.
  3. Para fazer a pasta de barrar, coloque num pequeno triturador a cebola em pedaços, dentes de alho, pés de salsa, manteiga, sumo da outra metade do limão, sal, pimenta-preta e noz moscada. Triture muito bem até ficar uma pasta.
  4. Barre a parte de cima do peixe com a pasta, colocando alguma também na barriga e feche tudo muito bem, para selar o papelote.
  5. Depois de 30 minutos no forno, revolva as batatas e coloque o tabuleiro com o peixe na prateleira de baixo. Mantenha assim durante 20 minutos.
  6. Passado esse tempo, abra o papelote e passe o tabuleiro do peixe para a prateleira de cima e o das batatas para a parte de baixo. Aumente a temperatura para 200º C e ligue a função grill. Asse durante mais 10 minutos.
  7. Leve o peixe à mesa dentro do papelote ou retire-o com cuidado para uma travessa com espaço para o molho.

Notas:

  • o interior do peixe deve estar entre 60 e 63 graus, por isso, para garantir que fica mesmo no ponto use um termómetro. Basta espetar na parte mais alta do peixe (quase encostado à espinha) e confirmar que a temperatura está correcta. Se por alguma razão não estiver deixe mais um pouco.
  • receita do mix de piri-piri – veja AQUI.
  • no caso de não gostar de picante ligeiro, omitir piri-piri no mix.
  • pode usar outro peixe grande bom para assar no forno, ou peixes mais pequenos.

Outras informações:

Partilhe esta receita nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest

Veja também...

2 comentários para “Pargo no Papelote <br> com Molho de Manteiga”

  1. Clara de Sousa
    Nunca tinha feito com esta receita mas já está na lista.
    Queria pedir-lhe um favor não tenho o termómetro será que se importava de me orientar estive a ver e encontrei um na Fnac mas não sei se será o ideal uma vez que é um instrumento para comprar e ficar.
    Continue com as suas receitas fantásticas que só de ler já ficamos com água na boca.
    Grata pela atenção e parabéns por nos ajudar a ser um pouco melhor cozinheira.
    Um abraço.
    Júlia Albuquerque Vieira
    Paço de Arcos
    E.mail: julia.vieira@sapo.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.