Um vício.

A Nutella é um vício.

A loucura é tal que até há um Dia Mundial da Nutella: 5 de Fevereiro.

Eu também adoro Nutella e conheço muito pouca gente que não goste.

Há uns tempos dei de caras com uma grande polémica em relação à composição deste produto da Ferrero.

A empresa não revela muito, diz apenas que não divulga as proporções completas porque a receita é única e quer protegê-la.

Assegura que o óleo de palma usado é seguro e saudável, apesar de o óleo de palma refinado ter sido classificado como potencialmente cancerígeno pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar. Não há no entanto estudos suficientes que sustentem esta tese a 100%. A Ferrero garante que o seu é refinado a temperaturas controladas, abaixo dos 200º C, o que lhe garante segurança a esse nível. Não deixa, no entanto, de ser uma gordura saturada, que pode induzir ao aumento do LDL, ou seja, do mau colesterol.

Diz também que o açúcar usado é principalmente sacarose, que se encontra em frutas e vegetais e que as principais fontes são a beterraba e a cana-de-açúcar, ambas não geneticamente modificadas.

Era inevitável que a empresa desse, como deu, estas explicações perante a preocupação manifestada em todo o mundo, tentando tranquilizar os consumidores, apesar de se recusar a utilizar outro óleo, argumentando que “fazer Nutella sem óleo de palma seria produzir um substituto de inferior qualidade”.

Pois… aquela cremosidade de que tanto gostamos… vem mesmo daí.

Decidi então olhar com mais atenção para o rótulo para perceber a polémica… e fiquei também impressionada com algumas coisas.

A principal foi a quantidade de açúcares. 56 g por cada 100 g de creme de barrar, ou seja, mais de metade é açúcar. Ok, já percebo de onde vem o vício…

Depois, a quantidade de cacau magro em pó. Apenas 7,4%.

E avelãs: 13%. Só? A sério? E dizem com orgulho que são um dos cremes de barrar com mais alto conteúdo em avelãs. Nem quero imaginar os outros…

Ora… sendo um creme de chocolate e avelãs pareceu-me que as coisas estavam algo desequilibradas e foi nesse dia que decidi começar a fazer o meu creme de chocolate e avelãs, mais saudável do que o original.

Ao nível das proporções podem ver a diferença, ou melhor, as diferenças.

Na minha Nutella Caseira há chocolate e avelãs. 43% de cada. A rodos! O açúcar é quase residual, apenas 14% do pouco açúcar em pó que lhe junto, porque do chocolate tem zero de açúcares, já que uso Chocolate de Stevia.

O sabor está todo lá.

E quando se apanham os pedacinhos de sal, até as papilas batem palmas.

A textura não é tão densamente cremosa como a original, mas fica fantástica na mesma, continua a colar-se ao céu da boca. E não leva qualquer óleo. Nem de palma nem de nenhum outro género. Basta o óleo natural das avelãs.

Esta Nutella Caseira fica espectacular – o pequeno provador que é fã de Nutella já deu o veredicto e não podia ser melhor. Gosta mais desta porque tem mais sabor e não é enjoativa.

Se a fizerem, vão precisar mesmo de um robot com lâmina, potente, tipo Bimby ou outro. Copos liquidificadores não servem, a lâmina é demasiado pequena e o copo demasiado estreito.

Ah… e não a guardem no frigorífico, tal como a original aconselha também a não se guardar no frio, para manter uma textura boa para barrar. Como tem chocolate a sério fica mais dura quando colocada a baixas temperaturas. Deixem-na na despensa ou mesmo na bancada, longe de raios de sol, mas com uma temperatura ambiente agradável, para estar sempre pronta a usar.

Se por alguma razão a vossa Nutella ficar mais dura, coloquem-na durante 30 segundos no microondas para amaciar. Pode acontecer sobretudo no Inverno, quando as casas estão mais frias.

Por regra indico a validade de um mês, mas será que dura um mês? Por aqui nem dura metade. Além disso nenhum dos ingredientes usados é perecível a essa velocidade.

Aproveitem esta Nutella Caseira para fazerem o Bolo de Chocolate, Nutella e Avelã, os Queques Cremosos de Nutella, ou as Bolachas Duo, ou simplesmente usem-na em crepes ou para barrar o pão.

Deliciem-se!