Nos anos em que eu era uma jovem adolescente sempre me entusiasmei a ver a minha mãe cozinhar. Na época ela cozinhava as nossas refeições de forma intuitiva, sempre a olho. A menos que quisesse fazer algo que tivesse visto na Teleculinária do chefe Silva e que fosse fazer pela primeira vez. Mas quando chegava aos doces, à excepção do seu arroz doce, havia outros que sabia que era preciso seguir à risca.

Era o caso desta mousse de chocolate ou do pudim de ovos ou do pão-de-ló. Fazíamo-los tantas vezes que já os sabíamos de cor. Mas nesses não se improvisava.

Naquele tempo, havia receitas que todos faziam praticamente da mesma maneira, fosse porque as tinham visto numa Teleculinária, num livro de receitas ou em programas de culinária na televisão como o mais popular de sempre com a saudosa Maria de Lourdes Modesto.

Não sei. O que sei é que a Mousse de Chocolate feita deste modo, com ovos e sem natas, tem origens francesas. É uma receita tradicional que remonta ao início do século XIX.

Entende-se assim que tenha facilmente encontrado caminho para conquistar os lares lusitanos, algo que nem as três invasões francesas tinham conseguido.

No site eu já tinha publicado duas mousses de chocolate para quem quisesse cortar nas calorias, a Mousse de Chocolate e Chia com Fruta Fresca e a Mousse Quark de Chocolate, mas faltava esta versão à antiga.

É claro que há muitos tipos de mousse e não necessariamente de chocolate. No site tenho várias receitas que levam fruta como é o caso da Mousse Rápida de Maracujá, a Mousse de Laranja, que tanto sucesso tem feito, a Mousse Light de Kumquat, a Mousse de Morango e Iogurte e ainda a maravilhosa Mousse de Queijo e Iogurte com Frutos Silvestres.

São outras opções à Mousse de Chocolate que trago hoje.

Quais os ingredientes?

São apenas 4 + 1 e este +1 nem está na fotografia abaixo porque é aquela pitada de sal grosso que se junta às claras quando se batem em castelo.

Uma mousse fresca e fofa

O mote é: “Primeiro bem batida, depois delicadamente envolvida.”

Começamos por derreter a manteiga e o chocolate em banho-maria. Podem fazer no microondas se vos der mais jeito, em incrementos de 30 segundos mexendo de permeio.

Daqui seguimos para a parte em que temos de bater muito bem os ingredientes.

Primeiro as gemas com o açúcar até ficar uma gemada cremosa e esbranquiçada como esta…

Juntamos o chocolate derretido… e batemos para envolver.

Depois, noutra taça, batemos as claras em castelo bem firme, adicionando umas pedrinhas de sal quando as claras começam a espumar…

E finalmente, usando uma colher de pau ou uma espátula, envolvemos as claras no creme de ovos e chocolate (um terço de cada vez). Não podemos bater a mousse, é mesmo apenas envolver.

Transferimos para uma taça grande ou para taças pequenas e guardamos no frigorífico, durante várias horas, idealmente de um dia para o outro.

Outro método

Há quem faça esta mousse com os mesmos ingredientes mas junte as gemas ao chocolate derretido e use o açúcar para bater as claras. Pessoalmente prefiro fazer a gemada porque continuo a achar que é o que dá mais garantias de manter a mousse mais arejada.

Quantos dias pode a mousse ficar no frigorífico?

Eu diria que, no máximo, 3 dias antes de poder começar a perder qualidades.

Posso usar outro chocolate?

Quando não tenho chocolate de culinária, uso um chocolate negro normal e dependendo da percentagem de cacau e do grau de doçura adapto a quantidade de açúcar.

Posso cortar no açúcar ou usar adoçante?

Para cortar no açúcar confira o grau de doçura de chocolate. Teste, cortando um terço da quantidade e se achar que aguenta cortar mais, acerte daí para a frente para ter uma mousse a seu gosto.

Quanto ao adoçante, nunca testei, mas tenho uma amiga que faz com XILITOL – ideal também para pessoas com diabetes – e me garante que o creme de gemas fica muito fofo, o que é fundamental para ter uma mousse bem cremosa. A quantidade de XILITOL é igual à de açúcar em número de colheres de sopa, mas se quiserem cortar também podem.

Como servir a mousse de chocolate?

Por regra serve-se simples, mas há muitas formas de melhorar a apresentação, seja com chantilly ou com elementos crocantes. Aqui usei “flor de chocolate” e avelã crocante.

O resultado final é este: uma mousse verdadeiramente leve e arejada, como antigamente nos faziam as mães e as avós.

SE GOSTARAM DESTA RECEITA