Mais simples é impossível. Menos trabalho, menos açúcar, mais sabor. A memória desta marmelada é para ficar.

Foi o que aconteceu comigo. A memória desta marmelada nunca desapareceu.

Foi há uns anos, não muitos, que a minha amiga Teresa Seixas me levou para um fim-de-semana no norte, para nos distrairmos e revermos uns amigos que ela já não via há bastante tempo.

Lá fomos, ficámos no Porto na casa da Mónica e do Paulo, que foram incríveis na simpatia e na forma como nos receberam. São sempre assim! A mesa tem de ter boa comida e boa bebida e, de facto, fomos tratados como sempre. Com o melhor.

A dada altura, para o fecho de uma refeição, foi colocada na mesa uma tábua de queijos e marmelada. Eu nunca fui grande fã de marmelada, tenho de admitir, mas quando provei aquela marmelada… senti que tinha sido a melhor marmelada de sempre. Pelo menos para mim. Ao ponto de repetir mais do que uma vez. Estava mesmo boa, era mesmo gulosa, nada enjoativa.

A marmelada tinha saído das mãos de fada da Isilda, há muitos anos a trabalhar na casa da Mónica e do Paulo.

Eis que agora, no final de Setembro, quando uma outra amiga também chamada Mónica, que trabalha comigo na SIC, me ofereceu estes marmelos pensei imediatamente na marmelada da Isilda.

E assim sendo pedi a receita, que ela cedeu de imediato. Fiquei agora a saber que é uma receita de família, da avó da Mónica do Porto, em que a Isilda pegou, transformou e glorificou. Ainda mais.

A Isilda é cá das minhas. O que é bom, é para partilhar!

Este é um processo mais fácil e mais rápido do que o processo tradicional, já que não exige que se descasquem os marmelos, nem que se cozam ou escaldem primeiro em água. Desta forma a marmelada retém todo o sabor.

Bem que a Isilda sugeriu que se fossem colocando os pedaços de marmelo em água para não escurecerem, mas eu esqueci-me. De qualquer forma, esse meu lapso não alterou o resultado final.

Também referiu que sendo a receita tradicional de 1 kg de açúcar para 1 kg de marmelos, nesta ela rouba 250 gramas por quilo ou até um pouco mais, se os marmelos forem mais doces. Eu roubei 300 gramas por quilo e, se calhar, até poderia ter roubado um pouco mais. Mas nunca nos podemos esquecer de que, a menos que seja para consumir rapidamente, o açúcar é um conservante fundamental para quem queira guardar este tipo de doces durante meses e meses a fio. E é também necessário para agregar a textura da marmelada, para que a possamos cortar à fatia.

De volta à receita… temos os marmelos e o açúcar que são colocados em camadas num tacho. Só isto, sem qualquer água.

A nós basta-nos aguardar que fique bem cozido, triturar, encher tacinhas, pincelar com bagaço, cobrir com papel vegetal e colocar ao sol para secar. 

Se puder ser na rua sob sol directo, melhor (só temos de as recolher ao fim do dia), mas se não houver essa possibilidade ou se o tempo estiver de chuva, deixamos as tacinhas num parapeito onde possam apanhar algum sol. Ali ficam durante uma semana ou duas ou mais, até vermos que a marmelada está mais sequinha e pronta para cortar.

Esta marmelada, mesmo depois de secar, fica sempre muito macia no interior. É também isso que a torna tão apreciada. Literalmente, desfaz-se na boca.

Quando ofereci uma taça desta marmelada à minha amiga Mónica de Lisboa e ela a deu a experimentar à mãe, que é a especialista em marmelada lá de casa, a mãe disse logo que a minha marmelada era muito gulosa. Nem mais! Foi exactamente o que eu pensei quando comi a marmelada da Isilda pela primeira vez.

E é por isto que recebe este nome “Marmelada Gulosa da Isilda”, se bem que nem a marmelada nem a Isilda são gulosas… 

Os gulosos somos nós!

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 1 hora
dificuldade: fácil
Mais simples é impossível. Menos trabalho, menos açúcar, mais sabor. A memória desta marmelada é para ficar.

Marmelada Gulosa
da Isilda

Marmelada destaque site
Mais simples é impossível. Menos trabalho, menos açúcar, mais sabor. A memória desta marmelada é para ficar.
tempo de preparação: 1 hora
dificuldade: fácil

Ingredientes:

  • 700 g de açúcar por cada 1 quilo de marmelos (pesados depois de descaroçados)
  • aguardente/bagaço para pincelar

UTENSÍLIOS:

  • varinha mágica ou robot de cozinha com lâmina larga
  • papel vegetal recortado

Confecção:

  1. Lave muito bem os marmelos e retire-lhes o caroço. Mantenha a pele. Corte-os em pedaços (pode colocá-los numa tigela com água para não oxidarem).
  2. Num tacho suficientemente alto distribua os dois ingredientes por camadas, começando sempre com uma boa camada de marmelos no fundo do tacho, seguida de uma camada de açúcar, mais uma de marmelos e uma de açúcar e por aí fora até esgotar os ingredientes.
  3. Ligue o lume para intensidade média (6 no eléctrico) e coloque o tacho tapado sobre o lume. Quando começar a fervilhar, baixe o lume (3 no eléctrico) e mantenha a fervilhar durante 40 a 45 minutos ou até o marmelo estar bem cozido e com um tom avermelhado.
  4. Ainda em quente, passe tudo muito bem pela varinha mágica (ou use um robot de cozinha com lâmina larga mas tenha muito cuidado para não se queimar). Vai ficar com um puré bastante denso, como uma papa de bebé.
  5. Transfira o puré quente para taças já esterilizadas e deixe arrefecer um pouco.
  6. Quando a marmelada já tiver uma película no topo, ainda morna, pincele-a bem com bagaço/aguardente e cubra-a com papel vegetal recortado à medida.
  7. Coloque as taças ao sol para a marmelada secar durante pelo menos uma semana (pode ser no parapeito de uma janela ou no exterior).
  8. Depois de seca conserve num local fresco da casa, ou, se a casa for quente, no frigorífico.

Notas:

  • O álcool para pincelar deve ser de alto índice alcoólico. Além dos referidos podem usar outros como brandy, cachaça ou vodka.

Outras informações:

  • Pode fazer esta marmelada directamente na Bimby ou outro robot equivalente, começando na temperatura mais alta e baixando depois para 100º C à velocidade 3 para cozer.

30 comentários para “Marmelada Gulosa <br> da Isilda”

  1. Nunca consegui fazer marmelada como a da minha mãe, exceto este domingo em que experimentei a receita da Clara de Sousa e ficou ótima. Estou toda satisfeita, até porque este ano infelizmente já não tenho a minha mãe para garantir a marmelada.
    Obrigada!

  2. Maria Céu Ribeiro

    Olá Clarinha… Adoro as suas receitas. Hoje fiz a omolete . Adorei estava muita macia mas não a fiz simples mas sim com uma fatia de queijo e juntei salsa, estava muito boa. Muito obrigada .sua admiradora: Céu Ribeiro de Caldas de Vizela.

  3. Olá Clara, ontem fiz a marmelada e apesar de estar a secar já todos a provaram cá em casa e está deliciosa. Excelente receita e mais rápida.
    Se tiver uma de doce de tomate (o meu favorito) que possa partilhar ficava grata.
    Um beijinho e espero por mais receitas a seguir

  4. Boa tarde Clara.
    Sabe eu também faço assim a marmelada, pois a casca e a parte do interior (só retiro onde estão as sementes) dão sabor e consistência à marmelada. Ainda tenho marmelada que fiz no ano passado e está muito boa. Beijinhos

  5. Deve ser muito gostosa de facto,gostaria que, quando tivesse oportunidade ,de ensinar a
    fazer doce de figo,com ou sem nozes,pois cá em casa os figos abundam com a minha
    figueira que tenho no quintal.

  6. Tão boa esta marmelada, qual marmelada da minha infância? Esta é bem melhor e também já está batizada” marmelada gostosa da Clara, gostosa porque como a sra diz gulosos somos nós. Obrigada Isabel

        1. De maçã não tenho Maria, mas faria tudo igual substituindo o marmelo por maçã. Se a maçã for de uma qualidade mais ácida melhor, para o meu gosto. Se for doce corte mais um pouco no açúcar.

  7. Filomena Branco Nunes

    Olá Clara de Sousa Adoro seguir as suas receitas e dicas Muitas me fazem lembrar a minha infância Esta sua receita de marmelada é uma delas .Minha mãe já a fazia assim E exatamente como descreve Depois da marmelada estar pronta , dentro das tigelas de várias cores porque cá em casa era assim cobertas com o papel vegetal , pinceladas com aguardente. feita em casa pelo meu pai e o meu trabalho era de as colocar no parapeito da janela da cozinha ao sol e ir vigiando até ficar no ponto .Como é tão bom recordar momentos felizes e com tão pouco Um beijinho grande sua admiradora Filomena Branco

  8. Bom dia

    Clara

    Tenho a dizer que eu faço precisamente essa marmelada. Foi-me ensinada pela minha avó.
    Vivo no Algarve mais propriamente em Vila Real de Santo António.

    Cumprimentos,

    Maria José

  9. De uns tempos para cá, o estar na cozinha acalma-me. Tenho feito muitas das suas receitas e é engraçado ver a ansiedade, ate chegar a quinta-feira. Obrigada por entrar em minha casa.
    Parabéns pelo prêmio.
    Beijinhos Clara

    1. Obrigada Anabela, é bem verdade o que diz de a cozinha acalmar, a menos que seja um daqueles dias de stress. Mas é bom o entusiasmo de querer experimentar coisas novas. Muito obrigada!! Beijinhos

  10. Obrigada Clara…
    A Clara é um exemplo, paea todas nós, mostra que se pode ser uma Jornalista de Top e ao mesmo tempo uma exelente mulher de cozinha!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.