Um clássico de sabores intemporais. O peito de pato fica cozinhado na perfeição e as batatas ficam uma verdadeira perdição.

Tenho a dizer-vos logo para começar que fiz durante muitos anos este prato de uma forma diferente, mas desde que assisti à técnica do Chef Gordon Ramsay que adaptei a técnica que ele usa à que eu usava e em boa hora o fiz porque fica muito melhor e nunca falha.

Cozinhar o peito de pato na perfeição pode parecer muito complicado, mas não é. Por regra uso peitos com cerca de 250 g cada.

Não é obrigatório, mas convém dar uns golpes na pele sem cortar a carne, para que a gordura derreta melhor. Mas essa se calhar já sabiam. [Ooooops… esta faca é demasiado boa…]

O que eu não sabia é que devemos colocar os peitos de pato numa frigideira fria e não manter o lume muito alto. Ao mesmo tempo vamos retirando a gordura para uma tacinha à medida que vai derretendo. Desta forma conseguimos uma pele mais fina e verdadeiramente estaladiça.

E depois da frigideira e da passagem de alguns minutos pelo forno, a carne tem mesmo de descansar. Nunca saltem esta parte. É mesmo fundamental.

Ah e mais uma: cortar fatias não muito finas para que a carne não arrefeça rapidamente. Eu corto cada peito em 6 ou 7 fatias. Cada uma da grossura de um dedo indicador aproximadamente. Nunca menos. Esta é a última coisa que faço porque tem de ser servido de imediato.

É tudo muito rápido e podem servir aos vossos mais queridos um prato com qualidade de restaurante. Touché!

O pato não fica cru. Fica rosado que é como deve ser.

Mas não nos fiquemos pelo pato, porque aquela gordura derretida vai elevar o acompanhamento a outro nível. São das melhores batatas a murro que alguma vez comi, depois de fritarem um pouco naquela gordura tão cheia de sabor.

Finalmente podem optar pela parte mais clássica do pato com laranja… e nada melhor do que um molho leve de laranja, ainda quente, para regar a carne. Só temos de o deixar ferver até reduzir para metade.

Tanto o molho como a cozedura das batatas podem ser feitos com antecedência, para adiantar trabalho e assim, enquanto a carne descansa, só temos de fritar um pouco as batatas naquela maravilhosa gordura do pato e aquecer o molho.

Ah! Lembram-se da gordura que sobrou, aquela que retirámos da frigideira? Guardem-na porque a podem usar para saltear o que quiserem, quando quiserem.

É só isto.

Este Magret de Pato é perfeito para celebrar o Dia do Pai.

Se o pai gosta de pato, vai certamente adorar!

Se o pai prefere bifes podem sempre surpreendê-lo com os belos Bifes com Manteiga de Ervas, Batata dourada e Espargos ou com os Bifes com Rúcula e Queijo Roquefort. Escolham um bom bife porque neste dia queremos o melhor para o melhor pai do mundo! Certo?

O pai prefere peixinho? Então vai adorar esta Dourada em Puré Aromático com Curgete e Gremolata ou até o Salmão Valentim. O melhor mesmo é procurarem no site porque por aqui não faltam opções para todos os gostos.

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 35 minutos
dificuldade: médio
doses: 4
Um clássico de sabores intemporais. O peito de pato fica cozinhado na perfeição e as batatas ficam uma verdadeira perdição.

Magret de pato com batatas
a murro e molho de laranja

magret pato destaque site
Um clássico de sabores intemporais. O peito de pato fica cozinhado na perfeição e as batatas ficam uma verdadeira perdição.
tempo de preparação: 35 minutos
dificuldade: médio
doses: 4

Ingredientes:

  • 4 peitos de pato
  • Sal e pimenta q.b.
  • 10 batatas pequenas
  • alecrim fresco, q.b.
Molho de laranja:
  • 100 ml de vinho tinto
  • 50 ml de água
  • Sal e pimenta q.b.
  • Sumo de ½ laranja
  • 3 colheres de chá de mel ou de açúcar

UTENSÍLIOS:

  • frigideira que possa ir ao forno
  • tacho pequeno para o molho
  • tacho médio para as batatas

Confecção:

  1. Faça o molho: coloque todos os ingrediente do molho num tachinho e leve ao lume, deixando ferver até reduzir para metade.
  2. Lave as batatas, mantenha a pele, corte-as ao meio e coza-as em água com sal até ficarem um pouco macias. Depois de cozidas, deixe esfriar ligeiramente, coloque-as com a face cortada sobre a bancada e dê uma pancada ligeira em cada uma.
  3. Enquanto as batatas cozem e o molho reduz, prepare o magret. Faça golpes ligeiros sobre a pele tentando não ferir a carne, dando um efeito de grade. Tempere com sal e pimenta de ambos os lados.
  4. Coloque os peitos numa frigideira fria (das que possam ir ao forno) e coloque sobre lume brando para derreter a gordura da pele. Retire a gordura derretida que é libertada para um recipiente e continue a fritar até dourar bem a pele; no total serão cerca de 8 a 10 minutos, dependendo da espessura da gordura, até ter uma pele bem crocante. Vire os peitos e frite do lado da carne durante mais 30 segundos, para selar a carne.
  5. Vire novamente os peitos para que fiquem com a pele virada para baixo e leve a forno pré-aquecido a 200º C durante 7 minutos exactos.
  6. Retire do forno e coloque os peitos num prato para descansarem 10 minutos.
  7. Enquanto isso, coloque ao lume a frigideira com a gordura que o pato libertou no forno e salteie as batatas de ambos os lados nessa gordura, até dourarem.
  8. Corte os peitos em fatias não muito finas, com cerca de um dedo indicador de espessura e sirva de imediato com as batatas a murro douradas, o molho de laranja quente e uma salada.

Notas:

  • Se tiver peitos mais pequenos reduza um pouco o tempo de forno. Lembre-se que a carne cozinha mais um pouco durante o descanso.
  • Um magret perfeito apresenta uma carne rosada.
  • Pode fazer o molho e cozer as batatas com antecedência.
  • Não corte o magret em fatias muito finas para que a carne não arrefeça rapidamente.

Outras informações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.