Uma receita da mais pura tradição portuguesa pelas mãos de uma avó que a tornou a sobremesa mais especial da família.

Por aqui a tradição ainda é o que era… e nada melhor do que falar de tradição quando falamos dos avós e da cozinha dos avós. Das avós, sobretudo. Os homens que me perdoem, mas as mulheres aqui sempre tiveram o papel mais primordial. Salvo raríssimas excepções.

Muitos lembram-se que no ano passado lancei o passatempo do Dia dos Avós para escolher a receita que mais representava essa figura que foi ou é tão importante para tantos de nós.

Foi difícil porque cada receita tinha uma história especial para contar. Acabei por eleger o Pudim de Laranja Descansado pelas razões que podem ler no texto da receita.

Agora, um ano depois, o Dia Mundial dos Avós aproxima-se – é já no próximo Domingo, dia 26 de Julho – e não tive dúvidas em voltar às receitas que me enviaram e escolher uma para assinalar a data.

Parei nesta.

Ao contrário da maioria das receitas de leite-creme que conheço, esta não poupa nos ovos. É assim que tem de ser para se conseguir a verdadeira textura do leite-creme, utilizando pouca farinha maisena e pouco açúcar.

Pelo caminho reli a mensagem que a neta Inês escreveu na altura:

“Somos uma família desde sempre ligada à agricultura. Esta receita é da minha querida avó Maria Pereira Rosa que neste momento se encontra com um cancro ao qual não pode receber quimioterapia devido a problemas cardíacos… Portanto mesmo que esta receita não seja publicada será sempre uma maneira de a homenagear e de a partilhar consigo e com os administradores da sua página.”

Agora, ao contactar a Inês, para lhe dizer que iria partilhar a sua receita, ia, como imaginam, de coração apertado. Como estaria a avó Maria?

Felizmente as notícias que recebi de volta tranquilizaram-me.

A Inês disse-me que a luta da avó Maria contra o cancro da mama continua mas, com o carinho e amor que a rodeiam, tem a convicção de que esta virá a ser uma fase superada.

A avó Maria, ou melhor, Maria Pereira Rosa, nasceu nas Caldas da Rainha a 22 de julho de 1936. Fez ontem 84 anos.

Foi criada pela tia e acabou por ir viver para Vale de Ílhavo, em Aveiro, onde constituiu família. O seu sustento esteve sempre ligado à agricultura e ao que ela dava.

Diz a Inês:

“A comida de conforto e a cozinha tradicional portuguesa estava sempre presente e [a avó Maria] foi incutindo esse gosto e tradições às suas netas.
E por isso é hoje homenageada pela neta Inês Resende, que além dos passeios que ambas faziam juntas, das brincadeiras, carinhos e mimos… leva uma herança gastronómica que gostaria de imortalizar!
Entre tantas receitas a mais especial é o leite-creme. Não só por ser feito com leite puro de vaca da exploração da família, mas também porque era um doce sempre presente nas celebrações lá de casa.”

Fico muito feliz por estar aqui hoje a partilhar convosco esta receita incrível que utiliza os ingredientes em abundância das famílias com estas explorações agrícolas, onde havia leite acabado de mugir das vacas ou ovos das galinhas caseiras.

Ponto inegociável é a quantidade de ovos. Se forem caseiros melhor porque têm uma gema com mais cor. Não fiquem a olhar para as receitas que dizem para usar apenas 6 gemas. Não! Aqui são 12 e é por isso que este leite-creme é muito melhor.

As claras podem servir para outras receitas como suspiros, um molotof, uma pavlova… até omeletas de claras. Se não quiserem usar logo, podem congelá-las e usar noutra altura.

O leite-creme é feito no tacho, sempre mexendo para não criar grumos…

… e num instante já está nas tacinhas. Leiam a receita com atenção sobre o momento exacto para o retirar do lume.

Depois é só deixar arrefecer, polvilhar com açúcar e queimar com um ferro tradicional ou com um maçarico a gás, como este.

Não queimem o açúcar a não ser mesmo na hora de servir, porque o vidrado de caramelo amolece e liquidifica passadas umas horas. Este vidrado tem de estar a estalar quando chega à mesa  🙂 E se tiverem um maçarico é um instante enquanto isto se faz.

É assim o leite-creme tradicional, o nosso leite-creme, português de Portugal, tão simples e tão bom, que nada tem que ver com outros que conhecemos, como o Crème Brûlée ou a Crema Catalana. Querem conhecer as diferenças entre eles? Então espreitem a receita do Crème Brûlée de Tangerina onde explico tudo.

E para terminar, resta-me agradecer de coração à Inês e à avó Maria. Fantásticas e lindas nesta fotografia que a Inês me enviou ontem, o dia de aniversário da avó Maria, em que estiveram juntas para celebrar mais um ano de vida.

Um grande beijo para ambas e que possam desfrutar do amor que as une por muitos e longos anos.

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 15 minutos + tempo de arrefecimento
dificuldade: fácil
doses: 10
Uma receita da mais pura tradição portuguesa pelas mãos de uma avó que a tornou a sobremesa mais especial da família.

Leite-Creme
da Avó Maria

leite-creme destaque site
Uma receita da mais pura tradição portuguesa pelas mãos de uma avó que a tornou a sobremesa mais especial da família.
tempo de preparação: 15 minutos + tempo de arrefecimento
dificuldade: fácil
doses: 10

Ingredientes:

  • 1 litro de leite gordo ou meio-gordo 
  • 12 gemas
  • 40 g de amido de milho (maisena)
  • 120 g de açúcar 
  • 50 g de manteiga 
  • 1 boa casca de limão 
  • açúcar para queimar

UTENSÍLIOS:

  • um tacho médio
  • taças
  • ferro ou maçarico para queimar açúcar

Confecção:

  1. Num tacho misture o açúcar com o amido de milho (maisena). Junte um pouco de leite para diluir sem fazer grumos. Misture as gemas desfazendo-as bem. Junte o restante leite, a casca de limão e a manteiga.
  2. Coloque o tacho em lume médio/alto e nunca pare de mexer até engrossar. Retire do lume assim que aparecerem as primeiras bolhas de fervura.
  3. Retire a casca de limão e distribua o creme por tacinhas individuais – em alternativa pode usar uma taça grande.
  4. Deixe arrefecer à temperatura ambiente.
  5. Depois de frio, coloque açúcar a gosto sobre o leite-creme e queime o açúcar com um ferro tradicional ou com um maçarico.
  6. Sirva de imediato.

Notas:

  • É muito importante não deixar o creme ferver pensando que vai engrossar mais. Não vai. Retire assim que começar a fazer bolhas.
  • Queime o açúcar na hora, para que o vidrado de caramelo esteja a estalar.

Outras informações:

21 comentários para “Leite-Creme <br> da Avó Maria”

  1. Boa tarde, Clara!
    Muitos parabéns pelo profissionalismo e competência enquanto jornalista e pelas maravilhosas dicas e receitas culinárias.
    Fiquei derretida com esta receita pois é muito parecida com a minha, que faço desde os 13 anos! Para 12 ovos, 1 litro de leite gordo, 12 colheres mal cheias de açúcar e uma colher de farinha. Faço da mesma maneira mas não junto manteiga…
    É delicioso! Obrigada às 3: Dona Maria, Inês e Clara!

  2. A receita usada na minha família é semelhante. Só uma diferença. Nunca maizena. Sempre farinha trigo. Nem manteiga. A minha mãe dizia que a maizena faz o leite creme ficar pudim ao fim de umas horas. Eu concordo. Doces conventuais eram sempre com farinha

    1. Olá Carmen, em excesso sem dúvida. Mas usando pouca e não deixando ferver tem menos hipóteses de acontecer. Eu comi no dia seguinte e continuava muito macia. Mas não sabia essa dos doces conventuais e da farinha de trigo. Obrigada!!

    1. Olá Clara ! Ao ler a receita do leite creme desta querida avó , lembrei-me de partilhar a minha … as diferenças estão na quantidade de ovos eu ponho 18 a 20 gemas , não ponho a farinha maisena e não ponho manteiga , e faço em banho Maria . E garanto ser muito boa , também uso ovos caseiros . Obrigada pelas receitas

      1. Ainda mais gemas dispensam o uso da farinha claro. Deve ficar maravilhoso na cremosidade que as gemas dão. Obrigada Isabel. Grande beijinho para si 🙂

  3. Já estou com água na boa só de ver as imagens… e com o amor que senti ao ler esta receita… quero muito experimentar!!!! Um grande Beijinho à Clara, à Inês e à avó Maria!!!

  4. Fiquei de lágrima nos olhos por esta homenagem tão singela e bonita que a Inês fez à sua avó. São ambas tão lindas! Desejo que tudo corra bem à avó Maria. Obrigada pela partilha e obrigada à Clara por partilhar uma história tão inspiradora. Beijinho às três

  5. Maravilhoso eu fazia mas não desta maneira e acredito que este ficará muito melhor, obrigada por todas as belíssimas receitas que nos tem transmitido , cumprimentos.

  6. JUDITE MARIA GONÇALVES SIMÕES LAMÚRIA

    Ola clara,

    estive a ver a receita,adorei…estou rendida.
    Fiquei igualmente rendida ao do ano passado,pudim de laranja descansado.

    Tudo a correr bem.
    E continue a surpreender nos!!!

    beijinhos

  7. Bom dia!
    Somos só dois, nao vamos comer tudo de uma só vez. Como faço com o restante creme? Coloco no frio ou posso fazer só metade da receita?
    Obrigada
    Beijinhos

    1. Pode fazer só metade ou até só um quarto. Pode reduzir tudo em proporção Belinda. Se fizer e sobrar cubra com película e guarde no frigorífico. Só na hora de comer é que deve polvilhar com o açúcar e queimar.

    2. Muito agradecida pelas as suas receitas e dicas ❤️Tenho um restaurante e por vezes quando não tenho ideias é as suas receitas que recorrosendo esta última o leite creme da avó da Inês que é realmente maravilhoso obrigada a Clara,Inês e a avó que espero que esteja bem beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.