O belo folar de Olhão, em camadas ou enrolado, é presença obrigatória na Páscoa algarvia.

A Páscoa é tempo de abundância e de celebração e é a época rainha dos folares.

Portugal é um país com uma riqueza e diversidade enormes – há folares doces e salgados que são obrigatórios neste período, de norte a sul.

Este Folar de Olhão é inconfundível. É também conhecido como Folar de Folhas ou simplesmente Folar Algarvio.

Tradicionalmente a massa é montada por camadas, as tais folhas, com bastante manteiga, açúcar e canela, para manter este folar húmido e bem doce.

Foi assim que o fiz em 2013, tal como manda a tradição, para o partilhar na minha página do facebook.

Mas entretanto, descobri um método que algumas senhoras algarvias aplicam, muitas delas já com longa idade.

Estendem a massa e carregam na manteiga e na mistura de açúcar e canela…

Depois dobram as laterais para o centro e carregam com mais do mesmo…

… e finalmente enrolam.

Ah… e porque a manteiga e o açúcar são a alma deste folar, depois de estarem nas formas ainda levam mais um pouco, tanto em baixo como em cima.

Não é por acaso.

Sem a manteiga em abundância fica um folar seco. Sem o açúcar fica um folar sem doçura. A manteiga e o açúcar são fundamentais para a caramelização.

Achei este processo muito mais simples e rápido e decidi, por isso, experimentá-lo.

Fiz dois folares mais pequenos e usei duas formas de alumínio que tenho em casa – uma delas, na verdade, é uma marmita que tem as dimensões ideais para este folar.

O alumínio é o melhor condutor de calor – não usem inox porque correm o sério risco de ficar com um folar encruado.

Se não tiverem uma forma estreia e alta, usem um tacho de alumínio. Se o tacho for mais largo, façam apenas um folar com uma dimensão maior.

Esta experiência não podia ter corrido melhor.

Os folares sairam perfeitos e foram apreciados por um algarvio conhecedor destes sabores, que já em 2013 me tinha dito que o meu folar lhe lembrava o que a sua avó fazia quando ele era criança.

Verdade Augusto Madureira?

Se o quiserem fazer não cortem na manteiga nem no açúcar. Estamos na Páscoa, estamos em festa, tal como no Natal, esta é uma época em que se cometem alguns excessos, mas há receitas que não aceitam versões light.

Esta é uma delas.

O segredo é apenas comer com moderação.

Tenham uma Páscoa muito feliz!

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 30 minutos + TEMPO para levedar
tempo de forno: 30 minutos
dificuldade: fácil
rendimento: 2 folares pequenos ou 1 folar grande
O belo folar de Olhão, em camadas ou enrolado, é presença obrigatória na Páscoa algarvia.

Folar de Olhão
Enrolado

destaque
O belo folar de Olhão, em camadas ou enrolado, é presença obrigatória na Páscoa algarvia.
tempo de preparação: 30 minutos + TEMPO para levedar
tempo de forno: 30 minutos
dificuldade: fácil
rendimento: 2 folares pequenos ou 1 folar grande

Ingredientes:

Massa:
  • 500 g de farinha T65 sem fermento
  • 120 g de manteiga ou margarina à temperatura ambiente
  • 60 g de banha
  • 1 pitada de sal
  • 1 colher de chá de erva doce (opcional) 
  • 11 g de fermento seco de padeiro (ou 30 g de fermento fresco)
  • 50 ml de leite
  • 200 ml de sumo de laranja
  • 2 colheres de sopa de aguardente
Para enrolar:
  • 150 g de manteiga ou margarina à temperatura ambiente (75 g por cada folar pequeno)
  • 200 g de açúcar amarelo
  • canela a gosto
  • raspa de 1 limão pequeno (opcional)

UTENSÍLIOS:

  • batedeira eléctrica
  • 2 formas de alumínio 15 cm diametro

Confecção:

  1. Amorne ligeiramente o leite e desfaça nele o fermento seco ou fresco de padeiro.
  2. Na taça da batedeira, com o acessório de pinha, coloque a farinha, a manteiga ou margarina, a banha, o sal e a erva doce. Bata até obter uma massa areada.
  3. Junte o sumo de laranja, a aguardente e a mistura de leite e fermento e bata até ficarem bem misturados.
  4. Retire a pinha e coloque o acessório de gancho para amassar e amasse durante 5 minutos até ter uma massa bem macia e elástica.
  5. Faça uma bola, coloque na taça untada, cubra com  película aderente e deixe levedar para o dobro. Para acelerar o processo aqueça o forno até atingir 40º C, desligue e coloque a massa no interior durante cerca de uma hora ou até crescer para o dobro.
  6. Depois de levedada, retire a massa para uma bancada ligeiramente polvilhada com farinha, amasse ligeiramente e corte a massa ao meio.
  7. Estenda cada pedaço da massa num rectângulo com cerca de 25 cm de largura e 30 ou 35 de comprimento.
  8. Numa taça, misture o açúcar, com a canela e a raspa de limão.
  9. Espalhe cerca de metade da manteiga em pedaços sobre o rectângulo de massa e polvilhe generosamente com alguma da mistura de açúcar e canela.
  10. Dobre as laterais da massa até ao meio, para se juntarem – ficará com uma largura de cerca de 12,5 cm. Espalhe metade da manteiga que sobrou e polvilhe de novo com mais um pouco da mistura de açúcar com canela.
  11. Enrole e repita o processo para a outra metade de massa.
  12. Unte abundantemente duas formas de alumínio altas com cerca de 15 cm de diâmetro. Coloque um círculo de papel vegetal na base e unte muito bem. Espalhe no fundo mais uns pedaços de manteiga e polvilhe com mais um pouco da mistura de açúcar e canela. Esta parte é fundamental para a caramelização.
  13. Coloque o rolo na forma, espalhe os restantes pedacinhos de manteiga por cima e o restante açúcar com canela.
  14. Cubra com um pano e deixe a massa descansar até levedar para o dobro – pode recorrer à técnica do forno ligeiramente aquecido, mas desligado, para acelerar o processo.
  15. Depois de levedar, coza em forno pré-aquecido a 190º C durante cerca de 30 minutos ou um pouco mais no caso de fazer um folar grande.
  16. Quando estiver cozido, desenforme ainda quente para um prato, aproveitando o facto de o caramelo ainda estar líquido.

Notas:

  • É importante que não corte no açúcar e manteiga, porque a massa não leva açúcar e é este processo que determina se o folar é mais ou menos doce e mais ou menos húmido, devido à caramelização.
  • No caso de a manteiga lhe parecer insuficiente, junte mais. É melhor a mais do que a menos.
  • Se não tiver batedeira, pode fazer todo o processo à mão, misturando e amassando até ter uma massa macia e elástica.

Outras informações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.