Não imaginam a quantidade de pedidos que tive para fazer este prato.

Admito que me deixou perplexa.

Como assim? Acham que alguém precisa mesmo de saber como se faz o prato mais simples de sempre?

E a resposta era sempre: sim.

Muito bem, não custa nada. Vamos a isso!

Só tive de montar o tripé para filmar e ter a máquina fotográfica por perto… e nesse dia, cá em casa, comeram-se as famosas ervilhas com ovos escalfados numa versão com chouriço para os carnívoros e numa versão sem chouriço para a minha filha vegetariana que adora este prato. É aliás uma das opções para o Natal. Ela fica feliz e não me dá nenhum trabalho.

Então o que há a saber?

As ervilhas. Uso congeladas.

O chouriço. Uso um bom chouriço de carne ou, na falta, linguiça, que foi aliás o que usei desta vez. Mais o azeite, a cebola, o alho, o tomate, a polpa, a folha de louro, o vinho branco e a água. O sal e a pimenta. Ah! E os ovos, claro. Estes eram biológicos vindos do galinheiro de uma amiga minha.

Ora… que mais?

Refogado, o normal, nada de mais.

O chouriço pode também ser colocado no refogado para libertar mais sabor ou ser adicionado depois, depende se gostam com um sabor mais ou menos acentuado.

Depois o tomate e a polpa, que têm de cozinhar um pouco para apurarem bem. Finalmente, o vinho, ervilhas e água, mais ou menos água, consoante gostem deste prato com mais ou menos caldo.

E agora sim… o meu segredo para terem os ovos escalfados no ponto perfeito. E o que é perfeito para mim neste prato em particular? É ter uma gema cremosa, nem muito cozida nem muito líquida.

Querem conhecer o segredo? Digo tudo na descrição da receita.

E lembrem-se: este é um daqueles pratos que ainda fica melhor no dia seguinte. Por isso se o puderem fazer com antecedência, façam. Na hora da refeição deixem ferver uns minutinhos para ficar mesmo bem quente (não se preocupem que as ervilhas aguentam)… e só nessa hora escalfem os ovos.

Espero que gostem!