Pura comida de conforto, este Ensopado de Borrego à moda antiga tem todos os sabores da melhor tradição alentejana.

Aqui está uma comida de conforto para tantos, sobretudo para os que têm raízes alentejanas.

Um belo Ensopado de Borrego, à moda antiga, que é simples e cheio de sabor.

Descobri esta receita pela adorável Antónia de Jesus Nunes Manilhas que a explica tim-tim por tim-tim aqui.

Esta senhora é de um tempo em que as meninas saíam de casa dos pais bem cedo para servir em casa de “senhoras”, das “suas senhoras” como ela diz. Tal como a minha mãe que começou a servir aos 11 anos de idade, a dona Antónia começou ainda mais cedo, aos 8. Algo inimaginável hoje para nós, mas que era uma realidade aceite na época.

Muitas receitas dizem para selar primeiro a carne. Neste caso não. O refogado é feito com vários ingredientes juntos logo no início.

Nesta receita só reduzi a quantidade de batatas e aumentei as doses, porque na verdade esta receita que ela diz ser para 5, dá à vontade para 6.

Além disso acrescentei mais um pouco de pimentão-doce, só um nadinha mais, e juntei o atado de aromáticas mais cedo para libertar mais sabor.

Este Ensopado de Borrego é um prato perfeito para dias mais frios, é um clássico na Páscoa, ou até no Natal, e é tradicionalmente servido sobre fatias de pão frito ou torrado, um pão tradicional de qualidade, alentejano e de véspera, de preferência.

Se gostam de ensopados, não deixem também de experimentar o Ensopado de Vaca e Legumes com Vinho Tinto, semelhante ao famoso Boeuf Bourguignon.

Se preferem uma receita de forno então esta Perna de Borrego Assada com Alho e Alecrim é também uma bela opção.

Apesar das limitações que todos temos, por causa da crise pandémica que nos afasta dos nossos, aguardemos e tenhamos esperança em dias melhores, celebrando este período com o mesmo sentido de partilha.

Desejo a todos uma Santa Páscoa.

Veja o vídeo desta receita

Subscreva e comece a receber as newsletters em primeira mão

tempo de preparação: 1 hora 30 minutos
dificuldade: fácil
doses: 6
Pura comida de conforto, este Ensopado de Borrego à moda antiga tem todos os sabores da melhor tradição alentejana.

Ensopado de Borrego
à Moda Antiga

borrego destaque
Pura comida de conforto, este Ensopado de Borrego à moda antiga tem todos os sabores da melhor tradição alentejana.
tempo de preparação: 1 hora 30 minutos
dificuldade: fácil
doses: 6

Ingredientes:

  • 1,5 kg de borrego partido em pedaços (com osso)
  • 1,5 kg de batatas, descascadas, cortadas em pedaços médios
  • 2 cebolas grandes bem picadinhas
  • 6 dentes de alho bem picadinhos
  • 1 folha de louro
  • 1 colher de sopa de pimentão-doce (colorau)
  • Pimenta a gosto
  • Sal q.b.
  • 100 ml de azeite
  • 250 ml de vinho branco
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho branco
  • Água q.b.
  • Atado de salsa e hortelã

UTENSÍLIOS:

Confecção:

  1. Aqueça o azeite no tacho e coloque sobre ele os pedaços de carne, a cebola, os alhos, o pimentão-doce, o sal, a pimenta e a folha de louro. Envolva tudo bem e deixe refogar durante 15 minutos, revirando pontualmente.
  2. Passado esse tempo junte o ramo atado de salsa e hortelã e o vinho branco e deixe cozinhar durante mais 3 minutos.
  3. Cubra com água a ferver. Prove e acerte o sal.
  4. Assim que recomeçar a ferver, tape, baixe o lume e cozinhe durante 1 hora.
  5. Quando a carne já estiver cozida junte as batatas. Se tiver pouco molho, junte um pouco mais de água até cobrir as batatas e acerte de novo o sal.
  6. Assim que as batatas estiverem cozidas, 10 a 15 minutos depois consoante a qualidade da batata, desligue o lume e envolva uma colher de sopa de vinagre.
  7. Sirva sobre fatias de um bom pão frito ou torrado, alentejano de preferência.

Notas:

  • Para uma versão sem glúten, use um pimentão-doce certificado e pão sem glúten

Outras informações:

24 comentários para “Ensopado de Borrego <br> à Moda Antiga”

  1. Maria Manuela Matias

    Olá, Clara! Venho dizer-lhe que, essa receita é tal e qual a que a minha mãe fazia, se fosse viva tinha cento e dois anos. Era alentejana de Portalegre e uma cozinheira de mão cheia como a Clara. Tinha esquecido a receita, agora vou fazê-la para deliciar a família que quando em vez vem cá almoçar ou jantar. Quanto ao vinagre, a minha mãe punha em algumas receitas só no final um pouco antes de desligar o lume, punha mexia e dali a pouco desligava tapava e dizia que tinha de ficar assim o minimo quinze minutos. Muito obrigada. Bem Haja.

    1. Olá Manuela! Sim, tal como a senhora que a explica, à qual faço referência, o vinagre só entra no fim. Depois entre o vai e não vai para mesa passam esses 15 minutos 🙂 esta é uma receita mesmo muito boa em que o simples é o melhor. Ingredientes básicos, confecção básica, mas tudo ganha muito sabor. Que bom que lhe trouxe belas memórias e que agora o pode fazer. Obrigada! 🙂

      1. Olá Menina Clara
        Que boa ideia,adorei a ideia vou tentar fazer igual! Mas posso substituir o vinagre pelo, sumo de limão?
        Muito obrigada por tudo
        Um bom Natal com muita saúde!
        Um grande beijinho!

        1. Olá Indira. São ambos ácidos e penso que não fará mal. No entanto aconselharia a usar mesmo o vinagre. É essa a tradição e tem uma função aí nível do sabor da carne. Feliz Natal!

    1. Cátia, tal como refiro no texto, a receita é da senhora que encontrei no YouTube, mas se vir outras tradicionais também pedem o vinagre. Eu penso que sirva para cortar o sabor por vezes mais enjoativo do borrego, numa quantidade que simplesmente o anula mas não sente.

  2. Olá Clara, começo por lhe agradecer as ótimas receitas que vai partilhando connosco – gosto muito de cozinhar e já experimentei muitas sendo sempre sucesso garantido junto da família – há no entanto um prato que as 2 vezes que fiz não ficou como estava à espera – choco frito – fiz com argolas de lulas e embora a farinha fosse a que recomenda e agitasse bem dentro de um saco não consegui que resultasse pois a farinha não agarrou devidamente.
    Obrigada e bj

    1. Isabel, choco não é igual a argolas de lula, nada a ver. Teste com choco. As argolas de lula não agarram nada, não têm a mesma viscosidade. Para argolas usa-se polme, não farinha.

  3. M de Lourdes Godinho

    Percorrendo as suas receitas, gostava de acrescentar k acrescentando ervilhas frescas se possível, poderá obter outro prato de borrego como fazemos aqui na zona de Évora. Bjs.

      1. Olá Clara, nunca tinha feito, porque achava que era difícil por causa do sabor, Mas adorei e ficou tão tenrinho e gostoso. Obrigada pela sua partilha!

  4. Está feito! Receita selecionada!!! Muito obrigada, Clara 🙂
    Só tenho uma dúvida, o borrego tempera-se de véspera ou nem por isso…?
    Bjnhs e Boa Páscoa!

  5. Este velho ensopado só me deixa ainda mais saudades da minha querida sogra que o fazia, sempre, divinamente … sem tirar nem pôr!!
    Beijinhos Clara e que tenha uma excelente Páscoa!
    Até logo!

  6. O meu ensopado leva mais umas especiarias…cravinho e noz moscada…era assim que a minha mãe o fazia e eu segui a tradição. Sou do Alto Alentejo e por vezes do Norte para o Baixo há pequenas variações da mesma receita.

  7. Maria Teresa Bogalho

    Clara,

    Esta Pascoa cá em casa só somos três,eu o meu marido e filho,estes dois não gostam de ensopado de borrego.Irei efectuar esta receita mais tarde quando podermos reunir a família mais próxima.
    Boa Pascoa. Beijinho
    Teresa Bogalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.