Nunca fui grande fã de couves-de-Bruxelas até provar as couves frescas.

Em Portugal, durante demasiados anos, as únicas couves-de-Bruxelas, ou repolhinhos, que conseguíamos comprar no supermercado eram congeladas. O resultado nunca era muito bom por causa da textura, já que as couves tinham tendência para ficarem demasiadamente moles e com um sabor que não me conquistava, antes pelo contrário.

Mas eis que certo dia as encontro frescas na Makro e decidi comprar para saltear desta maneira – que delícia, que diferença… nada a ver, nada nada, com as congeladas.

Onde comprar couves-de-Bruxelas frescas?

Recentemente comecei a aperceber-me de que elas já aparecem à venda nos frescos dos supermercados… procurem que certamente vão encontrar.

E ainda bem, porque posso finalmente desafiar-vos a fazer esta receita que não seria a mesma coisa com couves-de-Bruxelas congeladas.

Estas couves ficam rijinhas. O sabor é maravilhoso, levemente adocicado.

A nível nutricional, as couves-de-bruxelas são muita ricas em vitaminas e antioxidantes e além disso muito baixa em calorias.

Como cozinhar as couves-de-Bruxelas frescas?

Cozinhá-las na frigideira em lume brando, com um pouco de vinho branco finalizando-as com vinagre balsâmico é a forma como mais gosto de as cozinhar e são um acompanhamento delicioso para pratos de carne ou peixe.

Se gostarem, podem fritar cubinhos de bacon com a cebola e seguir o processo da mesma forma até ao fim. Fica também uma delícia!

Experimentem!

Depois de comerem estas couves frescas nunca mais vão querer olhar para as congeladas outra vez.

Sobre outros acompanhamentos, vejam estas opções: