Se tudo tivesse corrido tal como estava planeado há vários meses, estaria amanhã a apanhar um avião para Londres, para passar o fim-de-semana com o meu filho, que faz 24 anos no sábado.

Meu Deus… como os anos passam a correr!

Nos 4 dias da visita, iria conhecer a nova casa para onde se mudou há cerca de um mês.

Iria jantar ao restaurante onde trabalha e apreciar os pratos maravilhosos de que tanto me fala, lambuzar-me com a ostras Jersey que são as estrelas maiores do seu menu e conhecer os colegas com quem partilha grande parte das horas dos seus dias.

Iria levar-lhe duas tábuas Manuel que ele quer oferecer a dois desses colegas que se tornaram bons amigos.

Iríamos estar finalmente juntos, visitando Londres, indo ao teatro, aos museus, e desfrutando de muito do que a cidade tem para oferecer.

Mas entretanto, tudo mudou por causa da pandemia do novo coronavirus.

Os espaços turísticos fecharam. O restaurante, sempre tão concorrido, teve também de fechar, ficando à espera de dias melhores. Os empregados foram para casa. Ele está a cumprir isolamento social. Fechado em casa. Cozinhando em casa. Partilhando o espaço e as conversas com um grupo que está exactamente nas mesmas condições.

Lá como cá, vivemos neste estranho momento contranatura, imposto por um vírus que se tornou global, que nos afasta fisicamente dos nossos, daqueles com quem mais desejamos estar.

Lá como cá, há uma grande preocupação com a saúde, com a economia, com os empregos.

Lá como cá, não perdemos a esperança de que vamos ficar bem. Temos de ficar bem.

E foi a pensar nisto tudo que decidi partilhar convosco uma das receitas preferidas do meu Manuel.

É raro fazê-la porque tenho de confessar que me faz alguma impressão fazer coelho, logo a mim que desde criança, tendo criação de coelhos em casa, essa era uma das carnes muito presentes na alimentação da família, mas com os anos dei preferência ao frango e só faço coelho em ocasiões muito especiais quando alguém é um grande apreciador.

Aliás esta é a primeira e penso que será a única que aqui colocarei. É retirada com meu livro A Minha Cozinha 2, lançado em 2014.

Se gostam de coelho, é perfeita, tanto nas texturas, como na riqueza do sabor.

O que é mesmo mesmo fundamental? A marinada. Deixem a carne repousar nela durante longas horas, de um dia para o outro é o ideal, e terão um prato com um sabor incrível.

Se são apreciadores ou se têm grandes apreciadores em casa, esta é uma receita que se vai tornar uma favorita.

Fiquem bem. Fiquem em casa.