Dias quentes pedem sobremesas frescas e este cheesecake de morango é daquelas sobremesas em que todos os olhos se põem, quando entra na mesa.

Eu admito que sou uma fã incondicional de cheesecakes, tanto os de forno como os que só precisam de frio, como este.

Dir-me-ão: só? Então porque leva a base ao forno? Verdade. Não é só só, mas isso é algo opcional. Podemos, se preferirmos, não levar a base de bolacha e manteiga ao forno e deixá-la prender apenas no frigorífico, mas pessoalmente, mesmo nestes cheesecakes de frio, eu opto quase sempre por dar um calorzinho à base, porque acho que fica mais forte e não corro o risco de a ver desfazer-se à frente dos meus olhos quando se cortam as fatias. Façam como entenderem. Eu faço assim.

Aqui ainda em cru…

… e aqui depois de um cheirinho de forno.

Já tinha usado as bolachas Oreo tradicionais no Cheesecake de Lima, por causa do contraste entre o cacau e a acidez da lima… e neste optei por usar as Golden, que descobri recentemente e me garantem um sabor mais suave. 

Usem as bolachas que quiserem. Recheadas ou não. Por exemplo, para esta base, uma bolacha Maria, ou outra de sabor mais suave, fica perfeita na mesma. Se não tiver recheio usem mais um pouco de manteiga, cerca de 100 gramas devem bastar.

Sendo uma sobremesa de morango vamos precisar deles e ainda os vamos encontrando, mas na falta, numa altura em que não os encontrem, podem usar morangos congelados.

O que é fundamental para terem um cheesecake macio é coarem o molho depois de triturarem. Não saltem esta parte porque é desagradável andarmos a trincar sementes numa sobremesa tão sedosa.

Também muito importante é a diluição da gelatina. Eu prefiro usar em pó mas poderão usar folhas (vejam nas notas). Tanto num como noutro caso, a gelatina não deve ser sujeita a altas temperaturas – nunca usem água a ferver nas folhas para não perderem a capacidade de solidificação. No microondas façam pequenos incrementos de alguns segundos, para não correrem o risco de o líquido ferver.

Natas, mascarpone, açúcar em pó, extracto de baunilha e sal… sim é tudo batido ao mesmo tempo. A textura fica como um chantilly leve, que liga melhor depois de lhe juntarmos um pouco de sumo de limão no final. 

O ideal é conseguirem esta densidade antes de juntarem o molho de morango e deixarem o cheesecake a descansar de um dia para o outro no frigorífico, para prender bem.

Agora que estamos em Setembro é natural que as temperaturas comecem paulatinamente a descer, mas segundo as previsões, à hora a que escrevo, as temperaturas ainda vão continuar bem agradáveis na maior parte do país.

Se não for para já, fica para depois… mas não deixem de se aventurar nesta belíssima receita, mesmo em dias mais amenos.

Façam e deixem as vossas opiniões nos comentários e, se gostam muito de cheesecakes, espreitem AQUI todos os outros que tenho no site.