O trabalho tem tomado conta do meu tempo e nem sei bem como ainda tenho conseguido manter o site com novas receitas. Há sempre um esforço extra, sabendo que contam com as minhas sugestões. Isso dá-me ânimo, mas não me dá mais tempo e por isso este mês vai ser difícil trazer coisas novas.

No entanto, haverá sempre outras sugestões diariamente no Facebook e no Instagram, recuperando receitas mais antigas, daquelas que faço sempre questão de vos recordar. 😉

Estou numa fase com menos tempo porque, entre outras coisas, tenho de estudar e preparar-me para as celebrações do Jubileu da Rainha Isabel II. Estarei em Londres a fazer a cobertura desse grande acontecimento já a partir de 1 de Junho.

É incrível como esta mulher, que dedicou a vida ao cargo e ao seu povo, tem conseguido sobreviver a tanto e a tantos.

Tão frágil e tão forte, ao mesmo tempo.

Isabel fez 96 anos no passado dia 21 de Abril… um símbolo de longevidade, tal como a mãe, com o mesmo nome, que viveu 101 anos.

A Rainha-Mãe faleceu em 2002, o marido Filipe partiu há pouco mais de um ano, em Abril de 2021… e Isabel resiste estoicamente.

Acho extraordinário quando se consegue chegar a esta idade com plenas faculdades mentais. Penso muitas vezes que se “tiver a sorte” de viver tanto – tal como a minha Tia Alice que viveu até aos 98 – gostaria de estar assim, ainda relativamente autónoma, reconhecendo todos os que amo e tendo consciência do que me rodeia, seja das coisas boas ou das coisas más.

O futuro, como costuma dizer-se, a Deus pertence.

De regresso ao presente…

Tudo isto para vos dizer que em Maio a minha disponibilidade vai estar muito limitada e, por isso, quero deixar-vos mais uma receita absolutamente extraordinária, pelo sabor, pela facilidade da execução, pelo belíssimo aspecto que tem.

Uma chinesice, dirão… e pois bem, que seja, mas eu adoro porque fica mesmo espectacular.

Chau Min?

Quem vai a restaurantes chineses sabe bem que Chau Min é massa chinesa com qualquer coisa: de vegetais, de vaca, de porco, de gambas.

Neste caso é de vaca e brócolos, mas podem improvisar a gosto. Eu própria improvisei para fazer este prato com os legumes que tinha em casa e, acreditem, ficou mesmo mesmo delicioso.

Digam lá se não apetece…

Um Chau Min para mim, outro para ti…

E ainda sobra para mais dois.

Esta receita serve 4 pessoas e fica pronta em cerca de 30 minutos.

Vamos precisar destes ingredientes:

  • Brócolos
  • Massa chinesa de cozedura rápida (instant noodles)
  • Carne de vaca em tiras (para o estrogonofe/strogonoff)
  • azeite
  • sementes de sésamo brancas
  • cebolinha ou cebolinho

Para o molho precisamos de:

  • molho de soja
  • óleo de sésamo
  • pimenta preta
  • água
  • maizena
  • acúcar amarelo
  • alho
  • gengibre

A primeira coisa a fazer é cozer a massa, deitando fora a saqueta de tempero.

Vertemos água a ferver sobre a massa e deixamo-la descansar, tapada, durante o tempo referido na embalagem – neste caso foram 4 minutos.

Para a cozedura da massa, vejam as indicações na embalagem.

Depois de cozida – apenas com o calor residual da água – escorremos a massa e passamo-la por água fria para arrefecer rapidamente e perder alguma goma.

No entretanto, preparamos o resto: cortamos os floretes de brócolos em pedaços mais pequenos…

e ralamos os alhos e o gengibre. Queremos todo o sabor!

Finalmente, fazemos o molho e reservamos.

Só este molho já tem um cheirinho incrível 😉

Vamos para o fogão!

Vamos lá, porque agora é um instante enquanto isto se faz.

Depois de cozermos os brócolos ao vapor no wok – em alternativa podem cozê-los ao vapor da forma clássica ou apenas em água – VEJAM COMO AQUI –  tratamos de saltear a carne em lume muito forte, deixando-a ainda rosada – atenção para não passar muito a carne, porque ela ainda volta ao calor.

Queremos uma carne macia e suculenta, não a queremos seca e dura.

Segue-se o molho que vai engrossar um pouco, ao qual se juntam todos os ingredientes já preparados – a carne, os brócolos e a massa, polvilhados com cebolinha picada e sementes de sésamo tostadas.

Resultado: esta maravilha!

Posso fazer substituições?

Claro que sim! Pode substituir tanto a proteína como os legumes como até a própria massa – em vez da instantânea, opte pela massa de ovo chinesa normal se quer manter a personalidade do prato. Em última análise pode usar outras massas, como a massa de arroz ou até o esparguete.

Em vez de vaca pode usar porco, desde que o deixe mais bem passado. Ou gambas. Ou lulas.

E nos legumes aproveite o que tem no frigorífico, desde couve lombarda em tiras, a pimento, ou espargos. O que tiver. Desde que estejam cozidos al dente está tudo bem.

Outras “chinesices”

FRANGO AGRIDOCE - Simples e delicioso, este prato da cozinha chinesa é muito fácil de fazer em casa. Acompanha com arroz branco.
BISCOITOS DA SORTE - Os biscoitos da sorte são uma forma divertida de entrar no novo ano. A confecção é simples, só exige rapidez.