[NOTA PRÉVIA: As quantidades que coloquei nesta receita são para 2 pessoas. Para mais, aumentem em proporção.]

Já viajei por vários países asiáticos, mas falta-me visitar a Tailândia para mergulhar mais a sério na cultura gastronómica do país. E nas águas quentes também claro! Enquanto isso não acontece, trago a Tailândia à minha mesa sempre que posso.

Já sabem que sou super mega fã de caril, seja amarelo, verde ou vermelho. A cozinha asiática no geral é tão plena de sabor que me conquistou desde a primeira hora.

Aqui no site não faltam desses pratos, sendo o mais emblemático o Frango Tikka Masala, mas há mais: o Caril de choco com leite de coco, o tão apreciado Caril de grão-de bico ou os fantásticos Mexilhões Thai, que também usam pasta de caril vermelho, tal como estes camarões.

Depois de ter comprado a pasta de caril vermelho para os mexilhões, decidi aventurar-me com outras receitas e esta saiu particularmente saborosa, sendo fácil e muito rápida de fazer.

Usei ingredientes próprios da cozinha tailandesa, como é o caso das folhas de lima kaffir, que se encontram hoje na versão seca em supermercados que tenham produtos internacionais. Eu diria que se puderem tentem comprá-las sempre que façam um caril tailandês, mas se não conseguirem, façam o prato na mesma, não seja por isso.

Já a pasta de erva príncipe e o molho de peixe são opcionais. Eu gosto de os usar porque potenciam todos os sabores e dispensam o uso de sal, mas, lá está… se não os tiverem façam a receita na mesma.

Quanto aos legumes, usei feijão verde, do fino, mas podem usar do normal, e pimento amarelo, cortado bem fininho, mas pode ser de qualquer outra cor. Aqui quis ter contraste de cores no prato. Outra opção óptima são os rebentos de bambu.

A cozinha tailandesa usa muito o manjericão tailandês, que é mais difícil de encontrar por cá. Esta variedade de manjericão tem as folhas mais finas e pontiagudas do que o manjericão comum e um sabor mais picante e anisado. No entanto, por ser mais fácil, uso o comum, sem qualquer problema.

Vamos então espreitar a confecção desta receita? Vamos lá!

A pasta de caril tem de refogar logo no início antes de juntar os restantes ingredientes. É um passo fundamental para acordar toda a força que ela tem.

Como o feijão verde demora mais tempo a cozer do que o camarão, temos de o cozer primeiro até ficar al dente, por isso vamos por fases.

Que cor incrível!!!

Só depois entra o camarão e, mesmo no final, o pimento e o manjericão, que amaciam durante 5 minutos no calor residual do molho, já com o lume desligado. Não queremos o pimento mole, tem de estar rijinho para garantir contrastes de textura.

Tudo muito simples e pronto em menos de meia hora.

Digam lá se não dá mesmo vontade de “atacar” este caril?

Sirvam-no com arroz branco. É quanto basta para terem uma refeição maravilhosa.