Não imaginam a excitação que é partilhar convosco esta receita.

Há muito tempo que não comia caramelos tão bons e macios… e ainda por cima feitos em casa no microondas em menos de meia hora.

E todos só para mim…!!!!!

(Calma Clara. Calma…)

Estes caramelos salgados fazem-se com 6 ingredientes básicos que por regra temos nas nossas despensas – o que admito que muitos não tenham é a geleia (ou xarope) de milho ou de arroz, mas conseguem encontrá-los nalguns supermercados ou lojas orientais ou de produtos naturais.

Aqui aconselho o uso de uma geleia ou xarope de produção biológica, sobretudo se optarem pelo milho, confirmando que não é geneticamente modificado.

Para fazermos esta receita também não precisamos de nenhum equipamento em especial, nem sequer de um termómetro para caldas de açúcar. Apenas uma taça e uma espátula, um microondas e um tabuleiro forrado com papel vegetal.

O meu microondas é de 900W de potência e os tempos que coloquei na receita (4 + 4 + 4 + 3 minutos) são para aparelhos com a mesma potência. Se têm um microondas com uma potência diferente façam AQUI a conversão do tempo – mais potentes, menos tempo, menos potentes mais tempo. Simples.

Depois de termos os ingredientes todos misturados é um entra e sai do microondas até ficar no ponto.

E o que é o ponto?, perguntarão vocês e com toda a razão.

É quando estiver no chamado ponto de bola mole.

E o que é isso do ponto de bola mole?

É quando o caramelo, depois de mergulhado em água bem fria, fica consistente, mas moldável. Tipo uma plasticina ligeiramente amolecida.

Até eu, que não sou muito dada a encontrar pontos de caldas de açúcar à mão, achei este processo super simples.

Após três entradas de 4 minutos cada no microondas fiz um teste mas o caramelo ainda estava demasiado mole. Moldava, mas a custo. E por isso fi-lo regressar durante mais 3 minutos e um novo teste mostrou estar no ponto.

Nestas coisas nada como ver, certo? Não deixem por isso de ver o video que fiz de todo este processo.

Se gostam dos caramelos um pouco mais duros podem puxar o ponto um pouco mais, com incrementos de minuto a minuto para não queimar, mexendo sempre antes de voltar ao microondas.

Eu fiquei-me pela bola mole porque os meus caramelos favoritos são assim, agarram-se aos dentes [alerta placas dentárias!!!] são muxi-muxi, uhuxi-uhuxi, super macios e viciantes.

E depois… ah depois aquele ingrediente mágico que os transporta para outra dimensão – a flor de sal.

Hoje em dia já ninguém estranha que se junte sal a receitas doces. O sal tem um efeito directo nas nossas papilas, dilatando-as e dessa forma o sabor do que estamos a comer fica intensificado. No caso dos doces acentua o contraste.

Nesta receita, devemos polvilhar o caramelo com sal logo depois de o vertermos no tabuleiro, ainda quente, para que o sal possa aderir à superfície.

A partir daí, é só deixar o caramelo arrefecer para finalmente o cortarmos como quisermos. Em quadrado, rectângulo ou moldando em cilindro.

Ficam perfeitos embrulhados em papel de celofane (ou vegetal) para termos por casa ou para oferecer.

Se não quiserem ter este trabalho, basta cortá-los e empilhá-los entre folhas de papel vegetal, para não  se colarem uns aos outros.

O que acham? Não são uma bela prenda para oferecer?
Isto é… se a nossa gula não fizer com que os guardemos todos só para nós.