finto

fin.toseparador fonéticaˈfĩtu

adjetivo

levedadolêvedo

bolo finto

bolo feito à base de ovos, farinha, açúcar, aguardente e outros ingredientes

Aqui estamos já muito perto da Páscoa, época de abundância e de ligar os fornos para fazer assados e  folares.

O que eu gosto de folares e de receitas com massas lêvedas em que só temos de deixá-las no seu tempo próprio enquanto nos entretemos com outras coisas.

Desde miúda que sempre adorei o chamado “pão doce”, que comia logo pela manhã nas férias de Verão em casa dos meus avós maternos. E também dos folares de Páscoa com aquele maravilhoso sabor a canela e erva doce.

Daí que quando há tempos me pediram uma receita de Bolo Finto, nem hesitei. Nunca o tinha feito mas lancei-me na aventura. Em boa hora o fiz, porque da textura ao sabor é mesmo TOP!

Dei início à minha pesquisa nos meus livros de referência e em videos, a ver verdadeiros profissionais a fazer Bolo Finto e rapidamente percebi que é uma receita não muito complicada. Desde que o fermento esteja bem vivo e a massa no ponto certo, fica muito fácil!

Tradicionalmente estes bolos fintos são amassados à mão e cozidos sobre folhas de couve em fornos de lenha… algo impossível para a maioria de nós. Por isso, a batedeira de bancada, o papel vegetal e o forno eléctrico ou a gás que temos em casa são a alternativa possível.

Deixem-me dizer-vos que não se envergonha ninguém porque também assim o resultado é mesmo muito muito bom!

De onde é o Bolo Finto?

Divide-se entre a Beira Baixa e o Alto Alentejo e as receitas têm pequenas nuances, nada de muito relevante.

O Bolo Finto pode fazer-se neste período da Páscoa, há até quem lhe junte ovos tingidos, tal como nos Folares Doces desta época.

Mas o Bolo Finto é também um dos bolos que nunca falta no Tabuleiro de Noiva.

Trata-se de uma tradição muito antiga. Antes do casamento, os amigos e vizinhos ofereciam às famílias dos noivos uma série de produtos, como ovos, vinho, mel, etc. Os familiares retribuíam mais tarde com bolos variados num tabuleiro, como forma de agradecimento. Entre os bolos do Tabuleiro de Noiva estava este Bolo Finto, além de Cavacas, Pão-de-Ló, os Esquecidos e outros.

Hoje em dia, serão raras as bodas em casa, mas há quem ainda mantenha a tradição de oferecer um Bolo Finto aos convidados.

Quais os ingredientes?

São ingredientes básicos, muito comuns.

Esta receita faz dois bolos fintos grandes com 1,25 kg cada. São mesmo grandes. Numa próxima vez que os faça irei optar por fazer três de 800 g cada.

Passo-a-passo

A primeira coisa a fazer é activar o fermento, diluindo-o em água morna com uma colherzinha de açúcar. Em cerca de 10 minutos ele mostra como está bem vivo. Se isso não acontecer, há que repetir. Se não crescer aqui, a massa também não vai crescer. Atenção por isso à temperatura da água que não pode estar demasiado quente e atenção também à validade do fermento.

Se optarem por usar fermento fresco usem 30 g e diluam-no bem na água morna. Nesse caso não precisam que ele passe por este processo. Basta juntá-lo aos restantes ingredientes da massa.

É claro que todo este processo pode ser feito à mão, mas é mais demorado e árduo. A batedeira de bancada é a melhor aliada neste processo.

Avancemos para a massa!

Usando o acessório de pá, desfazemos os ovos inteiros com o açúcar a baixa velocidade. Não é preciso espumarem. Basta um minuto.

Sem parar de misturar, juntamos logo de seguida o fermento já activado, o leite morno, o azeite morno e a aguardente. É importante que o leite e o azeite estejam mornos para ajudar a massa a crescer melhor.

Retiramos a pá e colocamos o gancho, que é o acessório adequado para amassar.

Adicionamos um terço da farinha, a canela em pó, a erva-doce em pó e o sal.

Ligamos a máquina na velocidade mais baixa para não haver farinha a voar pela cozinha… e assim que a farinha esteja misturada com os outros ingredientes, vamos juntando a restante, uma colher de sopa de cada vez, até se esgotar.

Mal a massa esteja bem ligada, aumentamos a velocidade, para média…

… e batemos durante 5 minutos até termos uma massa mais lisa e brilhante que ficará a escorrer como lava.

Muita atenção nesta parte, porque não queremos queimar o motor da máquina.

Se virem que o motor está a ficar muito quente,  desliguem um pouco e retomem uns minutos depois. É uma massa pesada, que precisa de um motor forte tal como precisa de braços fortes quando não há máquinas ao dispor.

Terminada esta parte, temos alguma farinha extra que vai ser necessária. Começamos por usá-la para polvilhar a massa e descolá-la um pouco das paredes da taça.

Se a vossa taça for pequena, é melhor transferir a massa para um recipiente maior, como um alguidar, já que esta massa vai crescer bem durante as 5 a 6 horas em que ficará a levedar.

Eu usei película aderente para cobrir…

e por cima uma manta quentinha.

Quando dei por ela já estava toda babada para fora da taça. Devo dizer-vos que, apesar de tudo, me deixou muito feliz. Não há nada como massas que crescem assim. É o melhor indicador de que está tudo bem.

Se usarem, por exemplo, um alguidar, coloquem um pano de cozinha limpo e por cima dele, uma manta (ou cobertor). Deixem a massa descansar num local da casa que não seja frio.

Após a primeira levedura, está na hora de moldar os bolos.

Tal como já referi, eu dividi a massa em dois, mas podem dividir em três. Usem a balança para pesar a massa e terem bolos iguais.

Polvilhamos muito bem a bancada e formamos as bolas puxando as extremidades da massa para o meio, várias vezes, e depois virando e aconchegando para ganhar forma de bola. Por baixo deve ficar com o aspecto da bola do lado esquerdo. É importante para fazer magia durante a cozedura.

Se tiverem dúvidas sobre este passo, vejam o video, mais abaixo.

Colocamos as bolas de massa a levedar sobre um pano polvilhado com farinha, puxando o pano entre elas, para não se colarem ao crescer.

Cobrimos com a outra metade do pano e colocamos a mantinha quente por cima.

No meu caso, levedaram durante 3 horas e meia e cresceram para o dobro. Atenção que os tempos são apenas indicativos. Tudo depende da temperatura ambiente.

Mal tenham crescido, retiramos cada uma do pano e colocamos sobre papel vegetal não untado, com a parte de baixo virada agora para cima.

Batemos muito bem o ovo e pincelamos toda a massa generosamente.

Colocamos 3 boas colheres de sopa de açúcar por cima de cada uma e, com os dedos, fazemos movimentos circulares para espalhar o açúcar.

Daqui seguem para o forno a 180º C durante 40 minutos no caso de ser ventilado ou 45 minutos sem ventilação.

Como tive de cozer um bolo de cada vez, já que tenho um forno pequeno, a massa, enquanto esperava, começou a abrir fendas no topo. É perfeito. Se gostarem deles assim, e se têm possibilidade de os cozer ao mesmo tempo, até os podem deixar mais meia hora sobre a bancada antes de os cozerem. Este é o efeito de se ter puxado as extremidades para o centro na fase da moldagem e ao virá-los para cozerem, essas ligações vão soltar-se e abrir estas belas fendas. É por isso que não é necessário fazerem-se cortes no topo da massa. Ela abre naturalmente.

Mas voltando ao forno… após os primeiros 20 minutos, quando a massa já estiver um pouco dourada como esta…

colocamos uma folha de papel vegetal ou de alumínio por cima para evitar queimar. Assim ficará coberta até se esgotar o tempo.

Mal saem do forno colocamos os bolos fintos a arrefecer sobre uma rede. Se tiverem dúvidas sobre o ponto de cozedura, basta espetarem um palito e confirmar que sai seco.

Digam lá se não está uma beleza? Ficou bem maior do que o tradicional por isso, com estas quantidades, dá perfeitamente para fazer três bolos.

Agora só falta a prova dos nove, certo?

O bolo já arrefeceu e está na hora de o abrir.

Uma fatia destas com um pouco de manteiga ou queijo… ou simples sem nada…

Ui, é maravilhoso este bolo finto!

Posso reduzir as quantidades?

Sim claro!

Se quiserem apenas fazer um bolo grande, reduzam a receita para metade. Como tem 7 ovos, não se preocupem, usem 4, não fará grande diferença.

Posso fazer versão sem glúten ou sem lactose?

Não testei mas acredito que sim, desde que tenham uma boa farinha para usos culinários que seja adequada para fazer bolos ou pão. As melhores farinhas são de mistura. Nunca usem apenas uma qualidade de farinha. Comprem boas misturas.

No caso da lactose, podem usar leite sem lactose ou um leite vegetal, também adequado para intolerantes à proteína do leite.

E uma versão sem ovos?

Uma versão sem ovos não é possível para este bolo.

Será mesmo preciso esperar tantas horas?

Sim, o tempo é o grande construtor das massas lêvedas. Apesar das horas de espera a levedar, o tempo em que temos a mão na massa é muito pouco. Nestes dias não há que ter pressa. É deixar a massa fazer o seu trabalho, sem interferências.

Uma Páscoa feliz para todos!

SE GOSTARAM DESTA RECEITA