Por esta altura todos os anos o meu pai sempre me perguntava se eu queria dióspiros.

“Claro que sim pai, traga!” e lá vinha ele orgulhoso com a fruta do seu quintal, bem madura e doce.

Os dióspiros de abrir.

São estes, bem macios, que só estão mesmo bons quando a pele racha…

… ao contrário dos dióspiros de roer, dióspiros-maçã como também são conhecidos, que apareceram em anos mais recentes e que não dá para comer à colher.

Este meu gosto por dióspiros – caquis como são conhecidos no Brasil – vem desde muito criança.

Eu e a minha mãe adorávamos. Mais ninguém lá em casa gostava. Só nós. Em tempo de fartura, com a árvore bem carregada, acabávamos por distribuir pelos vizinhos, que naturalmente ficavam gratos.

A árvore que o meu pai tinha no quintal, chegava a Outubro carregadinha de frutos. Agora que ele partiu, ela continua a mostrar que está bem viva, honrando de alguma forma esses dias em que ele cuidava dela, como cuidava de tudo o que plantava enquanto teve forças para tal.

Este ano, acabei por apanhar os mais maduros e trazer para casa, mas aqui só eu gosto, por isso, o que fazer a tanto dióspiro? Não posso deixar estragar, pensei.

Foi então que me lembrei de adaptar uma receita de um bolo de banana usando dióspiros, cortando no açúcar porque esta fruta, neste ponto, já está muito doce, juntando o nosso azeite que o deixa ainda mais húmido e aromatizando com especiarias que lhe dão um especial sabor a Outono. É mesmo maravilhoso!

Comecei por retirar a polpa, descartando as peles. Parte usei para este bolo. O restante coloquei em caixinhas – 250 gramas em cada – e congelei.

Um destes dias faço um gelado, uso numa cobertura, como com o iogurte da manhã ou faço este bolo outra vez… por que não?

Quais os ingredientes deste bolo?

Há ingredientes secos e molhados. Aqui estão:

OS SECOS

  • farinha para bolos – pode ser com ou sem fermento, é o que tiverem em casa
  • açúcar branco, mas podem usar mais escuro
  • bicarbonato para o fazer crescer bem
  • sal
  • canela em pó
  • cravinho moído
  • noz-moscada ralada ou moída na hora
  • metades de noz, para decorar

OS MOLHADOS

  • polpa de dióspiros, bem maduros
  • ovos, à temperatura ambiente
  • manteiga sem sal, também à temperatura ambiente
  • azeite, para deixar a massa ainda mais húmida e fresca
  • extracto de baunilha

Como fazer?

Este bolo faz-se muito rapidamente.

Batemos muito bem a manteiga, azeite e açúcar até ficar um creme fofo e esbranquiçado.

Juntamos os ovos, o extracto de baunilha e a polpa.

À parte peneiram-se os restantes secos

que se juntam à mão à massa que saiu da batedeira.

Todas estas sarapintas na massa são sabor, sabor e mais sabor.

Daqui a massa vai para uma forma de bolo inglês e colocam-se as metades de noz por cima antes de seguir para o forno.

Super rápido. Pouco trabalho. E um bolo incrível, com um aroma mesmo outonal!

Este bolo, como tem fruta e azeite, fica ainda melhor no dia seguinte.

Basta embrulhá-lo ainda quente e dentro da forma em folha de alumínio e abrir apenas no dia seguinte.

Vai estar com uma textura fantástica!

Se têm muitos dióspiros ou se simplesmente gostam deste tipo de bolos, aproveitem enquanto estamos na época deles, e façam, sim, façam esta receita! Vão adorar!

Querem ver a receita escrita com todos os pormenores?

Continuem a descer, que ela está logo depois do video e até a podem imprimir.

Vão fazer este bolinho delicioso?

Então falem da vossa experiência, comentem, deixem sugestões e se partilharem esta receita no Instagram não se esqueçam do hashtag #claradesousa_cozinha_bricolage

Se gostaram desta receita, também poderão apreciar estas:

BOLO RÁPIDO DE AZEITE E LIMÃO - Simples e rápido, macio e saboroso, este bolo faz-se numa tigela à mão, em minutos, sem máquinas nem complicações.
BOLO DE BANANA E AZEITE COM CANELA E LIMÃO (PARA DIABÉTICOS E NÃO SÓ) - Banana e azeite são a conjugação perfeita para a textura e suculência deste bolo que dura dias e que todos podem comer.
BOLO DO MONTE (RECEITA MUITO ANTIGA) - Receita do início do século XX escrita em verso pela irmã do 1º Presidente da República, Manuel de Arriaga. É fantástico para o chá.