Bolinhos secos a fazer lembrar os que se vendiam em saquinhos nas feiras. Sem máquinas, mais simples é impossível.

Olh’ó bolinho!

É prá menina e pró menino!

É prá mãezinha e pró paizinho!

Olh’ó bolinho!

As frases ficaram gravadas na minha memória mais profunda.

Transportam-me ao tempo em que ia de mão dada à feira com a minha mãe, aos sábados de manhã, comprar legumes, fruta, pão… e às vezes bolinhos. A minha mãe era uma excelente doceira mas preferia fazia tartes, tortas, bolos, bavaroises e tudo assim… mais em grande. Não era de fazer bolinhos.

Pois eu sou! Adoro fazer bolinhos. E estes em boa hora me foram dados a conhecer pelo meu colega Noel, maquilhador na SIC, que adora cozinhar.

Certo dia o Noel deu-me a provar um dos bolinhos feitos pela mãe, a D. São.

Vinham num saquinho transparente, tal e qual os da feira. Pareciam os da feira, cheiravam como os da feira. Saberiam também?

O momento era de emoção, porque eu, nestas coisas, sou sempre inundada por um entusiasmo enorme que às vezes sai frustrado, mas que noutros se confirma. E confirmou-se!

Ah sim. Logo! À primeira trinca fechei os olhos e viajei no tempo.

Simplicidade absoluta. Ingredientes básicos. Percebia-se cada elemento. Não era preciso mais.

É claro que não descansei enquanto não tive a receita com as quantidades. A D. São, cozinheira de mão cheia, fez um resumo típico de quem já os faz há muito tempo, sem pormenorizar… e eu tive de seguir o meu instinto.

O resultado foi este. Uns bolinhos secos perfeitos, óptimos para o chá.

A confecção é extremamente simples, sem máquinas, tudo envolvido à mão, e nunca batendo a massa em demasia.

Percebendo a massa podemos ter de juntar mais um pouco de farinha para os moldar…

E antes de seguirem para o forno, o carimbo de qualidade. Uns belos dentes de garfo, para manter a tradição.

Não há mais simples do que isto.

São deliciosos e, tal como os da feira, conservam-se durante bastante tempo num recipiente vedado.

Se gostam de biscoitos secos, mas procuram uns bons sem glúten aconselho ESTES biscoitos fantásticos de que toda gente gosta e que são feitos com farinha de arroz e maisena. Têm duas versões, uma mais macia e outra mais areada. Experimentem porque são óptimos.

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 30 MINUTOS
dificuldade: fácil
rendimento: 30
Bolinhos secos a fazer lembrar os que se vendiam em saquinhos nas feiras. Sem máquinas, mais simples é impossível.

Bolinhos
da Feira

destaque
Bolinhos secos a fazer lembrar os que se vendiam em saquinhos nas feiras. Sem máquinas, mais simples é impossível.
tempo de preparação: 30 MINUTOS
dificuldade: fácil
rendimento: 30

Ingredientes:

  • 125 g de manteiga derretida
  • 200 g de açúcar
  • 3 ovos
  • 2 colheres de sopa de leite
  • 400 g de farinha T65 sem fermento
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • raspa de 1 limão grande
  • spray ou óleo para untar papel vegetal

UTENSÍLIOS:

  • tabuleiros forrados com papel vegetal

Confecção:

  1. Misture, sem bater, a manteiga derretida, o açúcar, ovos e leite. Finalmente, envolva a farinha, fermento e raspa de limão. Não bata a massa. Apenas envolva. A massa fica ligeiramente peganhenta.
  2. Forre dois tabuleiros com papel vegetal untado.
  3. Enfarinhe as mãos e faça bolinhas do tamanho de bolas de golfe ou ligeiramente menores.
  4. Enfarinhe os dentes de um garfo e calque as bolinhas, marcando-as e achatando-as um pouco.
  5. Leve a forno pré-aquecido a 180º C durante cerca de 20 minutos, ou até os bolinhos ficarem ligeiramente dourados. Não os deixe tostar muito para não secarem demasiado.
  6. Guarde num recipiente com tampa depois de frios.

Notas:

  • Se, por alguma razão, a massa ficar demasiado mole, junte-lhe mais um pouco de farinha, até atingir o ponto em que, apesar de se colar um pouco aos dedos, já permite fazer as bolinhas.

Outras informações:

16 comentários para “Bolinhos <br> da Feira”

  1. Tenho a farinha que estive a moer na 123 farinha de chicharos pois gostava de fazer bolinhos ou bolachas agradecia se tivesse alguma receita

  2. Adoro os seus biscoitos de farinha de arroz. Vou tentar fazer estes com farinha alternativa ao glúten.
    Obrigada por partilhar as suas receitas, parabéns

  3. Fernanda carvalho

    As suas receitas são óptimas e.muito práticas e sabem ao que são . Não são dawuelas tão exóticas e não têm sabor defenido. Classifico as com 5 estrelas. Muito obrigada

    1. Adoro todas as receitas, que vou experimentando!!
      Parece que adivinha os problemas, que nós as leigas da cozinha, vamos passar(eheh…)!
      Obrigada pela partilha de receitas tão nossas e que nos fazem ir até à nossa infância…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.