“Olha a Bolinha de Berlim!!!!”

No Verão, não há dia de praia sem tentação, com os vendedores a passarem à frente do nosso nariz, com as suas malas carregadas desta delícia.

Que coisa boa!

A Bola de Berlim faz-me recuar no tempo. Leva-me sempre à adolescência quando saía esfaimada do liceu e não resistia a passar pela pastelaria mais próxima.

Sempre adorei a massa, o recheio de creme de pasteleiro e a textura que me deixava saciada.

Com o passar dos anos, atenta à linha, fui optando por outros bolos, mas os dias de perfeita loucura são dias de bola.

Esta massa é simples mas precisa de tempo para crescer, só assim teremos umas bolas fofas.

No tempo mais frio, para ajudar a massa a crescer, aqueço o forno a 40º C, desligo, e deixo a massa a levedar no interior, sempre coberta. O calorzinho residual fá-la insuflar maravilhosamente.

Só depois disto estão prontas a ir para o forno para cozinharem na perfeição.

Estas Bolas de Berlim feitas no forno evitam a tradicional fritura em óleo, mas nem por isso deixam de ser magníficas. São sempre um sucesso.

Aqui outra vantagem é fazê-las do tamanho que quisermos com o recheio que quisermos, podendo passá-las ou não por açúcar. Eu voto no açúcar, simples ou misturado com canela, mesmo sabendo que não posso abusar, mas um dia não são dias.

Imaginem uma festa de aniversário com todos a acotovelarem-se para ver quem leva a bola. A certeza é que não ficará uma no prato, porque são mesmo irresistíveis.

Para simplificar recheei-as com doce de morango que tinha em casa, um mais liso sem pedaços para ser fácil de rechear sem entupir o bico do saco de pasteleiro, mas se quiserem o mais próximo das tradicionais, é muito fácil fazer-se um creme de pasteleiro. Vejam a minha receita AQUI.

Espero que façam e se deliciem e que partilhem comigo as vossas memórias de conforto com este bolo tão especial.