Terminada a época da Páscoa, aqui estou de regresso com mais um clássico que faz parte da nossa tradição gastronómica.

A origem do Bacalhau à Brás não é conhecida com exactidão, mas a versão mais aceite é a de que foi criada por um taberneiro do Bairro Alto, chamado Braz, no final do século XIX. Em vários aspectos é semelhante ao Bacalhau à Lisbonense, que não leva batata palha ou mesmo ao Bacalhau à Assis, que, além da batata palha, leva também cenoura, pimento vermelho e presunto.

Venha de onde vier, a verdade é que se afirmou como um dos pratos de bacalhau mais conhecidos e apreciados, além de ser rápido e simples de se fazer.

Em muitos lares, a base desta receita é usada com outros peixes, carne ou até em versões vegetarianas.

Aqui por casa, faço uma versão mais rápida usando batata frita palha de compra e bacalhau desfiado seco que coloco a demolhar. Em alternativa temos também o bacalhau desfiado já demolhado e congelado. Fica mais prático não ter de estar a retirar peles e espinhas em cru. Apenas temos de desfiar um pouco essas lascas mais grossas.

O paloco pode ser uma alternativa ao bacalhau.

Esta receita também tem um pequeno segredo que garante que a batata não absorve demasiado os ovos. Explico tudo mais à frente.

Mas vamos à receita sem mais demoras…

Quais os ingredientes?

Se quiserem fazer a vossa batata palha podem fazê-la. Eu, por regra, opto pela de compra.

Passo-a-passo

Nesta receita hidrato a batata palha para retirar algum excesso de sal e gordura, mas ao contrário do que acontece no minha versão mais rápida do Bacalhau com Natas, aqui não a escaldo porque não a quero mole, apenas a hidrato com água fria corrente. É uma hidratação rápida para garantir que a batata se mantém ainda rijinha, mas sem absorver demasiado o ovo.

Quantas vezes já deram por vós a usar mais ovos do que o indicado só porque de repente a batata parece uma esponja a absorvê-los?

Depois de passar a batata por água, ela fica a escorrer, enquanto desfiamos o bacalhau em cru.

Logo após batemos os ovos temperados com sal e pimenta.

E ainda fatiamos a cebola e picamos o alho e a salsa.

Agora sim, está tudo a postos para avançar, lembrando-nos de que assim que o bacalhau sair do lume é servido de imediato.

O lume é no médio. Nunca o coloquem muito forte para não queimar nada nem cozinhar nada em demasia.

Começamos por refogar a cebola fatiada no azeite, durante uns 5 minutos, mexendo, até dourar ligeiramente.

Juntamos os alhos picados e refogamos mais um minuto só para libertarem o seu magnífico aroma.

Envolvemos o bacalhau desfiado e refogamos apenas 30 segundos, só para incorporar bem o azeite.

Envolvemos as batatas e deixamos que a mistura aqueça.

Só depois juntamos os ovos, rapidamente, com a ajuda de duas espátulas ou colheres de pau e desligamos imediatamente o lume para evitar que os ovos cozinhem demasiado.

O calor residual irá ser suficiente para eles ficarem no ponto.

Servimos de imediato, polvilhado com salsa picada e decorado com azeitonas pretas.

Como podem ver, as batatas estão soltas e o resultado não é empapado.

Fica tudo bem soltinho e bem saboroso. Uma delícia!

Sobrou! Posso congelar?

Esta é daquelas receitas que perde muito quando reaquecida, no entanto, se tiverem de congelar, a melhor solução é deixar descongelar, aquecer ao lume com mais um pouco de azeite e envolver os ovos que acharem necessários para recuperar a cremosidade ideal.

Outras receitas com bacalhau desfiado

Tanto podemos usar o já desfiado, como desfiar as postas.

Por exemplo, no caso dos Pastéis de Bacalhau, como as lascas são desfiadas num pano, podemos usar também o desfiado.

O mesmo serve para as Pataniscas de Bacalhau, que não desfio, prefiro picar com uma faca…

ou o próprio Bacalhau Espiritual, em que o bacalhau é triturado.

São todas elas receitas que vale a pena fazer!

SE GOSTARAM DESTA RECEITA