O clássico arroz malandrinho de polvo, tão português, é enriquecido com pimento e chouriço, numa conjugação que vai surpreender pela positiva.

Sabiam que hoje se assinala o Dia Mundial do Polvo?

Dia 8, tal como os 8 tentáculos deste cefalópode que é mais antigo do que os dinossauros.

O polvo faz parte da nossa alimentação e que belas receitas temos em Portugal, por exemplo o afamado Polvo à Lagareiro, com o nosso belo azeite.

Mas hoje trago-vos uma opção diferente e é para todos os que adoram arroz malandrinho.

Eu sou fã e até já partilhei convosco a minha receita de Arroz Malandrinho de Perca que é uma verdadeira delícia.

Malandrinho sim, mas a nadar não, é o meu lema.

No entanto, quem goste de carregar ainda mais no caldo não há problema. A cozinha é assim… adaptamos ao nosso gosto e nenhum é melhor do que outro, quando já sabemos o que é melhor para nós.

E é por pensar assim que opto por enriquecer algumas receitas mais clássicas, como este arroz de polvo. Gosto de fazer umas misturas que podem achar improváveis mas que, já tendo testado noutros pratos, sei que funcionam, como é o caso do Polvo no Forno.

Aqui, além do chouriço também juntei pimento.

Mas atenção. Não querem misturas? Digerem mal o pimento? Não apreciam chouriço? Ou, em último caso, acham que o arroz de polvo só tem de levar polvo? Não há qualquer problema. Deixem o chouriço e o pimento de fora e façam tudo o resto igual. Vai ficar óptimo também.

Para esta receita compro um polvo médio congelado e cozo-o de véspera na panela de pressão sem qualquer água ou sal, apenas com uma cebola pequena com pele, lavada. O polvo vai suar e cozer no seu próprio líquido. Quando o pipo de pressão começa a rodar, conto 15 minutos, desligo o lume e deixo ficar a perder pressão naturalmente até poder retirar a tampa.

No dia, só tenho de cortar o polvo em pedaços e aproveitar o caldo da cozedura, a que junto água suficiente para ficar com 3,5 a 4 vezes mais do que o volume do arroz. Queremos malandrinho, certo?

Quanto ao arroz, desta vez usei o nosso carolino, selando-o com o truque do vinagre que já vos expliquei na dica Como fazer um arroz sempre solto. Só temos de fritar bem o arroz e depois o vinagre ajuda a impedir que ele solte demasiada goma. Este truque também já o tinha usado no maravilhoso Arroz de Pato no Forno.

E pronto, é só isto. Esta é mais uma receita rápida, que fica pronta em cerca de meia hora – sem contar com o tempo da cozedura do polvo – e que certamente irá ser muito apreciada.

Se fizerem digam-me o que acharam… estou sempre curiosa por saber se resultou bem convosco.

Subscreva a newsletter e receba as receitas em primeira mão!

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 30 minutos
dificuldade: fácil
doses: 6
O clássico arroz malandrinho de polvo, tão português, é enriquecido com pimento e chouriço, numa conjugação que vai surpreender pela positiva.

Arroz Malandrinho de Polvo
com Pimento e Chouriço

arroz polvo destaque site
O clássico arroz malandrinho de polvo, tão português, é enriquecido com pimento e chouriço, numa conjugação que vai surpreender pela positiva.
tempo de preparação: 30 minutos
dificuldade: fácil
doses: 6

Ingredientes:

  • 1 polvo médio cozido
  • 400 g de arroz carolino
  • 1,75 a 2 litros de líquido (caldo de cozedura do polvo + água)
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 1 cebola média ou grande
  • 2 dentes de alho
  • 1 pimento verde
  • 1 chouriço corrente pequeno (~100g)
  • 100 ml de vinho branco
  • 1 colher de sopa de vinagre branco
  • coentros picados a gosto

UTENSÍLIOS:

Confecção:

  1. Pique a cebola, os alhos, corte o pimento em cubinhos, retire a pele ao chouriço e corte-o em pedaços pequenos. Coloque ao lume o caldo da cozedura do polvo com a água necessária para ter a quantidade indicada – 3,5 a 4 vezes o volume de arroz conforme goste menos ou mais malandrinho.
  2. Aqueça o azeite num tacho grande e refogue a cebola e o pimento até a cebola ficar translúcida.
  3. Junte o alho e o chouriço e refogue durante cerca de 1 minuto.
  4. Junte o arroz e deixe fritar até ficar mais opaco, mexendo para evitar que queime.
  5. Adicione o vinho branco deixando secar um pouco e depois envolva o vinagre.
  6. Junte o líquido bem quente para manter a fervura. Envolva tudo, prove o caldo e adicione sal, se necessário. Coloque a tampa no tacho, deixando uma ligeira abertura para libertar o vapor. Coza durante o tempo indicado na embalagem do arroz.
  7. Enquanto o arroz coze, corte o polvo em pedaços e pique os coentros.
  8. Passado o tempo da cozedura, prove um bago de arroz para confirmar que está cozido. Se não, deixe ao lume mais um pouco até o bago estar macio.
  9. Envolva os pedaços de polvo e deixe ferver mais um minuto.
  10. Finalize com os coentros picados.
  11. Sirva bem quente, com mais coentros picados para polvilhar no prato.

Notas:

  • Para uma versão sem glúten, use um chouriço certificado enquanto tal.
  • Pode optar por usar apenas polvo, dispensando o pimento e o chouriço.

Outras informações:

4 comentários para “Arroz Malandrinho de Polvo <br> com Pimento e Chouriço”

  1. Por curiosidade foi o que confecionei para o jantar de hoje e almoços dos miúdos! Com a diferença que associei chouriço Mouro e com a cebola adicionei pimento e polpa de tomate polvilhada de oregãos. Não conhecia a particularidade do vinagre. Ficou muito saboroso!

  2. Boa tarde, Clara de Sousa
    Para ter um polvo ótimo para qualquer utilização, proceda da seguinte forma: coloque num tacho com bastante água uma cebola descascada e uma ou duas folhas de louro. Quando a água entrar em ebulição mergulhe o polvo (seguro numa pinça, por exemplo) por uns segundos e retire-o. Deixe levantar fervura e proceda do mesmo modo. À terceira vez deixe o polvo a cozer. Provavelmente, bastarão 20 a 30 minutos. Prefiro utilizar polvo congelado.
    Felicitações pelo seu trabalho.
    Óscar Coimbra
    PS. Não publicar

    1. Olá Oscar. Eu conheço bem essa técnica, mas cozinho na panela de pressão e ele pela mais. Para este arroz não faz grande diferença mas para outros pratos em que precise do polvo bonito é exactamente isso que já me tinham ensinado. E congelar sempre para quebrar as fibras do polvo. Mas ao mergulhar prefiro usar já descongelado. Obrigada. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.