Uma receita clássica, em versão rápida. O resultado é um arroz muito solto e um sabor que brilha pela simplicidade.

O arroz de pato é um clássico da cozinha portuguesa e há variadíssimas formas de o fazer, consoante as regiões do país ou ao sabor do improviso de muitas cozinheiras de mão cheia, que ao longo dos anos vão apurando as suas receitas.

Há quem goste de fazer tudo apenas no tacho e quem não dispense a finalização no forno. Há quem enriqueça o caldo da cozedura com legumes, aromáticas ou enchidos. Há quem desfie o pato e quem prefira pedaços com osso. Há quem opte por juntar cubinhos de bacon ao arroz. Há também quem lhe junte um pouco de sangue do pato, molho de soja ou vinho tinto para o escurecer. Há ainda quem pincele tudo no final com ovo para ficar mais douradinho. Há os que preferem o arroz um pouco malandrinho e quem o deseje mais sequinho… enfim… há dezenas de maneiras de fazer este prato.

Pessoalmente, gosto mais da versão sequinha com os bagos de arroz bem soltos e em que o sabor do pato se destaque.

Este é daqueles pratos em que dispenso uma montanha-russa de sabores. Gosto simples. O arroz, o pato e o chouriço a crepitar com a gordura acabada de derreter. Tudo o resto complementa, sem se sobrepor.

Aqui em casa, um dos maiores fãs deste prato é o meu filho, mas sendo ele intolerante à cebola opto por dispensar este ingrediente. Dirão muitos: Ohhhh Clara, o que é de um bom refogado sem cebola??? Eu sei. Se não fosse por ele faria o refogado para o arroz com cebola, mas dadas as circunstâncias não uso. Fica óptimo na mesma. Podem confirmar que a cebola está nos ingredientes, mas no video da receita poderão perceber que não a usei. Se gostam, usem. Uma cebola pequena. Não é necessária muita.

Finalmente, um atalho, uma espécie de despachómetro, para quem não tem tempo a perder ou que, como eu, chegue tarde a casa e cuja primeira reacção possa ser evitar esta receita porque “Dá muito trabalho cozer o pato e não tenho tempo para isso”.

Sim, o ideal é sempre cozer o pato – se for essa a vossa opção vejam a NOTA na receita, sobre como cozer o pato – mas uma boa opção é comprar pato já desfiado com caldo. No supermercado encontram desfiado de pato cozido com caldo. E é bem bom!

É uma embalagem que tem 300 g de pato desfiado (bem pesado, a minha tinha 337 g) e 300 ml de caldo, e o caldo É MESMO FUNDAMENTAL para esta receita, em termos de sabor e de resultado final.

Com esta batota fiz tudo em cerca de 20 minutos, a que se acrescentou mais uns 15 a 20 minutos no forno. Ou seja, uma receita que nos ocupa durante menos de meia hora e que nos dá tempo para pôr a mesa ou tratar de outros assuntos, enquanto é finalizada sob o calor implacável do grelhador.

Veja o vídeo desta receita no meu canal

tempo de preparação: 15 a 20 minutos
tempo de forno: 20 minutos
doses: 4 pessoas
Uma receita clássica, em versão rápida. O resultado é um arroz muito solto e um sabor que brilha pela simplicidade.

Arroz de pato
no forno

IMG_1261DESTAQUEa
Uma receita clássica, em versão rápida. O resultado é um arroz muito solto e um sabor que brilha pela simplicidade.
tempo de preparação: 15 a 20 minutos
tempo de forno: 20 minutos
doses: 4 pessoas

Ingredientes:

  • 300 g de pato cozido desfiado, com caldo
  • 6 dentes de alho
  • Sal q.b.
  • Azeite q.b.
  • 1 cebola pequena (opcional)
  • 1,5 chávena de arroz agulha, thai ou basmati
  • 2 colher de sopa vinagre de vinho branco
  • 3 chávenas de caldo da cozedura e água
  • 2 colheres de sopa bem cheias de salsa picada
  • Meio chouriço de carne (sem pele e cortado em rodelas finas)

UTENSÍLIOS:

Confecção:

  1. Num almofariz esmague muito bem 3 dentes de alho com uma colher de chá rasa de sal grosso, até ficar em pasta. Junte ao pato desfiado e envolva bem.
  2. Aqueça um pouco de azeite numa frigideira e aloure o pato. Reserve.
  3. Faça o arroz. Pique finamente os restantes 3 dentes de alho e a cebola, se usar. Coloque um pouco de azeite num tacho e refogue a cebola até ficar translúcida, depois junte o alho e refogue mais um pouco, sem deixar queimar.
  4. Junte o arroz e frite-o até começar a ficar translúcido.
  5. Junte o vinagre e deixe fervilhar uns segundos.
  6. Junte o caldo e a água a ferver. Adicione sal a gosto, baixe o lume, tape e cozinhe durante 10 minutos (ou o tempo de cozedura referido na embalagem do arroz). Terminado esse tempo, junte a salsa picada e desligue o lume.
  7. Unte uma assadeira de forno com um pouco de azeite (usei uma assadeira oval de 30 x 20 cm). Cubra o fundo com metade do arroz. Espalhe o pato por cima e cubra com o restante arroz. Alise sem calcar.
  8. Distribua por cima as rodelas de chouriço e leve ao forno pré-aquecido a 180º C na função GRILL até dourar.

Notas:

  • Para esta receita usei pato já cozido e desfiado com caldo, por ser mais prático, mas pode comprar um pato e cozê-lo.
Cozer o pato:
  • Retire as peles mais gordas da barriga, corte-o em pedaços grandes, coloque-os dentro de uma panela de pressão, junte uma folha de louro, uma cebola espetada com 4 cravinhos e 4 pimentas pretas e um pouco de sal. Junte a água necessária até cobrir o pato. Tape e aperte bem a tampa da panela. Leve ao lume e quando o pipo começar a rodar com força, reduza o lume e cozinhe durante 20 minutos. No final do tempo, desligue o lume e deixe que a panela perca a pressão naturalmente. Depois retire o pato e quando arrefecer desfie-o grosseiramente. Coe o caldo através de um coador fino, para reter as impurezas e algum excesso de gordura.

Outras informações:

32 comentários para “Arroz de pato <br>no forno”

  1. Bom dia, vou experimentar a receita para o jantar de aniversário da minha filha. Como se faz para o arroz ficar moreno? Posso usar vinagre balsâmico de Modena?
    Parabéns pelas dicas tão fáceis de perceber e tão práticas!

  2. Olá Clara, boa noite. Fiz hoje o seu arroz de pato que ficou delicioso. Nao é muito diferente do meu mas o vinagre e o fritar o pato com o alho faz toda a diferença. Tenho a sorte de ter patos criados no campo e por isso é um prato que se come com alguma frequência cá em casa. Obrigada por mais uma receita deliciosa.

  3. Maria João Pestana da Silva

    Boa noite Clara. Gosto muito das suas receitas. Também faço o arroz de pato parecido, mas levo o pato a cozer como a Clara faz acrescentando um bom chouriço, um pedaço de presunto e sumo de limão. Depois de desfia-lo faço uma papa com umas 3 colheres de sopa de manteiga, alhos esmigalhados, sumo de limão, sal e pimenta ou piri-piri verde (malagueta) e misturo muito bem no pato. Isto faz com que o pato não fique seco e com um paladar óptimo.

    1. A lógica é a mesma para que o pato fique com aquele sabor bom. Eu quando tenho tempo também cozo e desfio. Na pressa esta resolve 😉

  4. Adoro arroz de pato! Infelizmente, lá em casa há quem não aprecie! Já tenho comprado este pato desfiado, mas para fazer Pato à Brás. É verdade, adoro! Melhor que o frango à brás (também há frango cozido já desfiado) porque o pato é uma carne mais gorda e o prato fica muito mais suculento. Delicioso!

  5. Olá Clara.Estou a cada dia que passa mais sua fã ! Esta ultima dica do pato já desfiado foi excelente, cá em casa todos gostamos de arroz de pato e por vezes não o faço dada a trabalheira que dá o método tradicional !
    Já agora deixe-me dizer-lhe que fiz a receita dos peitos de frango com mozzarella, mas com peito de Perú e fica muito bom também.
    Um grande beijinho.
    Helena Cabrita

      1. Veronica conceicao gomes garces Garces

        Eu para por o arros moreno deixo a cebola queimar mesmo com e deito a agua e com um cuador retiro a cebola e faco o arros com a calda da cozedora e com a agua do estrugido

        1. Verónica o único risco nesse processo, no meu entender, é que o sabor a queimado da cebola fique no caldo. Para escurecer, por regra, junta-se um pouco de vinho tinto. Mas se gosta assim, faça como gosta, porque esse sabor a satisfaz e é familiar.

  6. Olá Clara, também sigo as suas receitas, o arroz de Pato é um dos meus pratos favoritos a sua receita é como eu faço à exceção do vinagre ( para que é? Não fica com o sabor do vinagre?) eu cozo sempre o pato com sal, dentes de alho, cebola com casca cortada em 4 e cenoura, fica muito bom , obrigada pelas suas receitas, e pela jornalista que é, bjinhos

    1. Olá Angela, o vinagre é um truque muito antigo. O vinagre sela o arroz e não o deixa libertar excessivamente a goma, além disso dá um travo muito agradável e fresco, mas muito ligeiro, pode usar. Teste e depois diga-me como correu.

  7. Rita Teles da Silva

    Olá Clara,
    Descobri que tinha um site ontem no programa 5 para a meia noite e hoje vim logo espreitar!
    Parabéns! Tem um site muito interessante!
    Adorei a sua receita de arroz de pato.
    Obrigada.
    Rita

      1. Boa noite sra. Clara.
        Adoro as suas receitas, obrigada pelas suas partilhas.
        Fiquei com uma dúvida, quando compra o pato desfiado o caldo vem junto? Estou a pensar fazer esta receita.
        Beijos.

  8. Boa noite Clara.
    Para o dia de Natal entre outras coisas quase sempre faço arroz de pato pois todos gostam muito.
    Será que posso alguns dias antes cozer o pato desfiar e congelar com o caldo para não ter essa tarefa na véspera pois demora algum tempo?
    Obrigado e parabéns por esta excelente ajuda

    1. Olá Maria! Sim claro que pode. Mas congele o pato numa caixa e o caldo noutra. Depois basta deixar descongelar no frigorífico de um dia para o outro.

  9. Olá Clara,
    Sou uma grande admiradora da sua pessoa,tanto como jornalista como no seguimento dos seus dotes culinários. Tenho todos os seus livros (com pena de dois não estarem autografados),as receitas que tenho feito são sempre um sucesso.O meu obrigada por partilhar a sua experiencia.

  10. Olá Clara,

    Eu ainda sou um aprendiz na cozinha, mas não deixo de me entusiasmar quando cozinho para a família.
    O pato pode ser cozido numa panela normal ou tem que ser numa de pressão? Não tenho experiência com estas últimas.
    Já existe pato cozido desfiado com caldo à venda?

    Obrigado pela ajuda.

    JF

    1. Olá João. Se vir a receita eu explico como cozer o pato. Sugiro a panela de pressão porque é mais rápido, e explico exactamente como fazer. Se não tiver, pode fazer num tacho, leva mais tempo, mas basta estar atento à cozedura da carne.Sim já existe desfiado com caldo, foi o que usei nesta receia para ser mais rápido. Comprei no Aldi, também já comprei no Jumbo. Aqui têm dito que também há no supercor do el corte inglês e no pingo doce, o que significa que provavelmente o continente também deve ter.

  11. Maria Emília Cunha

    Olá Clara. Sigo-a com muito gosto, quer enquanto jornalista, quer enquanto gastrónoma. Possuo os seus livros que são muito úteis e de muito bom gosto.
    Quanto ao arroz de pato, faço como a Clara, só que tenho a sorte de poder fazer esta receita com pato do campo, criado ao ar livre. Faz muita diferença, acredite.
    No fim, além do chouriço, ponho umas peles do pato por cima do arroz, também a tostar. Parece leitão. A dieta e o colesterol não gostam mas depois fazemos dieta…
    Sinceros votos das maiores felicidades, pessoais e profissionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.