Há já algum tempo que não fazia estas almôndegas.

Foi com esta receita que cresci. Umas almôndegas bem cozinhadas e bem apuradas, envolvidas num delicioso molho de tomate cheio de pedacinhos mínimos para lhe dar mais corpo. Em minha casa eram sempre servidas sobre uma boa cama de puré de batata.

Ainda hoje, esta é uma solução barata que agrada à maioria.

O que faz, na minha opinião, uma boa almôndega?

A carne não precisa de ser de primeira, basta uma carne picada para hambúrgueres. Eu, para esta receita, uso sempre uma mistura de vaca e de porco. Ficam mais saborosas.

Depois a textura. Não suporto almôndegas secas e é por isso que a minha mãe sempre me ensinou que, tanto nas almôndegas como nos rolos de carne, além do ovo, devemos também misturar uma carcaça demolhada em leite quente. Na verdade, como não compro carcaças, uso pão fatiado que tenho sempre congelado para qualquer eventualidade.

E depois não é preciso inventar muito no tempero. Nada de meter cebola ou alho na carne, esses são para o refogado. Aqui basta um tempero simples de sal, pimenta e um nadinha de noz-moscada.

Depois de tudo envolvido só temos de moldar as almôndegas, assim nem muito grandes nem muito pequenas – um pouco maiores do que uma bola de pingue-pongue – sem compactar a carne. Enrolamos até a almôndega ganhar forma e estar segura. Desta forma ficam mais leves.

Quanto ao resto, ingredientes básicos que temos nas nossas cozinhas – tomate, cebola, alho, polpa de tomate, vinho e farinha.

Aconselho o uso de tomate fresco – vejam a dica “Como Pelar Tomates” – mas, na falta, se quiserem usem uma lata de tomate triturado, em pedaços ou inteiro, desde que o piquem depois.

Estas almôndegas não se fritam. Só precisam de ser bem passadas por farinha e colocadas no molho – a farinha além de as prender, vai ajudar a engrossar o molho.

Outra coisa importante é usar um tacho largo para as almôndegas cobrirem a base sem estarem encavalitadas umas em cima das outras. Desta forma, só temos de agitar o tacho e assim não corremos o risco de feri-las com a colher de pau.

Há quem goste do molho assim com os pedacinhos do refogado, há quem prefira um molho mais liso. Temos sempre a opção de triturar tudo antes de introduzir as almôndegas.

Finalmente, não menos importante do que tudo o resto, não devemos cozinhar a carne em demasia. Estas almôndegas ficam cozinhadas em apenas 20 minutos. Assim garantimos que ficam mesmo no ponto certo.

Estas almôndegas tão macias são perfeitas para crianças que não gostem muito de mastigar e para adultos com dificuldades a esse nível, nomeadamente idosos que, devido ao uso de próteses dentárias, precisem de comidas que consigam mastigar com maior facilidade.

Aliás, decidi fazer esta receita por causa de uma seguidora do facebook que me pedia umas boas almôndegas para fazer para a neta e eis que foi uma excelente oportunidade para fazer um dos pratos que comia com frequência durante a minha infância e juventude.

Um quilo de carne dá para muitas almôndegas. Eu opto por fazer em quantidade. Aqui acabei por cozinhar 20 e congelei as restantes para as usar noutra altura.

Estas almôndegas são bem diferentes, tanto no método de confecção como no tempero, das minhas Almôndegas Marroquinas com Harissa, muito deliciosas também, mas são duas receitas que, se gostam de almôndegas, vos aconselho a experimentar.